PORQUE A MEDITAÇÃO PEGOU NO OCIDENTE

PORQUE A MEDITAÇÃO PEGOU NO OCIDENTE

A meditação é uma prática de autoconhecimento e autocura espiritual utilizada em várias partes do mundo por mais de 5.000 anos, tendo historicamente objetivos religiosos ou espirituais. Nos últimos 40 anos a prática de meditação torna-se cada vez mais popular e é alvo de interesse da comunidade científica como uma estratégia terapêutica complementar e até de empresários e administradores que a descobriram como ferramenta de produtividade.

Antigamente as pessoas adoeciam e morriam de poliomielite, varíola, tuberculose, sarampo, infecções e por viroses. Atualmente as doenças são: estresse, enxaqueca, hipertensão, obesidade, depressão, síndrome do pânico e dependência química. Algumas destas doenças são resultantes do vazio existencial, da carência afetiva e de atitudes como a inércia física, má conduta alimentar, talvez resultado do “excesso de tecnologia”, os valores prostituídos do paradigma cartesiano onde você “vale” o que produz, o que tem e o que parece que tem – uma verdadeira doença da alma das massas (inclusive pessoas ricas e de alto QI) que causa um vazio existencial enorme.

Existem pessoas que vão a médicos, a psiquiatras, a terapeutas, a farmácias por diversos motivos para tentarem desesperadamente resolver seus problemas contornar seus maus hábitos ocidentais. Outras se apegam como tábua de salvação a religiões, grupos e “gurus” ocidentais que prometem mundos e fundos.

O mais curioso é que se você se sentar durante alguns minutos todos os dias e “não fazer absolutamente nada” terá o mesmo resultado que as pessoas que procuram estes serviços, produtos e dogmas de uma forma natural, sadia e independente. Surpreendente? Não! A meditação funciona!

No ano 2000, o respeitável monge Dalai Lama (líder do budismo tibetano) sugeriu a neurobiologistas e psicólogos, que estudassem a meditação. Depois do ocidente vencer seus medos e preconceitos contra a falsa visão mística e religiosa deste falido Paradigma cartesiano, começou então a estudá-la com seriedade.

Entre estes, as universidades Stanford, Harvard, Massachusetts e Columbia nos EUA e a Unifesp – Universidade Federal de São Paulo no Brasil.

(…)

Nos Estados Unidos, meditar virou uma mania. Várias escolas de medicina transformaram a meditação em disciplina. Hospitais oferecem espaços e orientação para tranquilizar pacientes antes de cirurgias, pois, de acordo com pesquisas, quem medita necessita de doses menores de anestesia. Instrutores ensinam a técnica nas cadeias para tentar reduzir os índices de violência. Funcionários de repartições públicas e de grandes empresas como o Google e a Hughes Aircraft interrompem o trabalho para meditar porque, segundo consultores, isso aumenta a produtividade.[1] (…)

Muitos pesquisadores independentes também fizeram e vem realizando suas pesquisas de forma crescente. Hoje, existem incontáveis métodos de meditação – pelo menos uns dez deles servem para você.

Este trabalho além de ensinar a meditar com simplicidade e objetividade, busca também explanar, de forma breve, estudos sobre meditação, com ênfase nos mecanismos neurofisiológicos desta pratica e nos seus possíveis efeitos sobre a saúde visando além do leitor leigo, também o leitor com perfil mais técnico, o pesquisador ou o empresário. O material inclui reportagens, artigos, dissertações, teses e livros relacionados ao tema.

Hoje existem meditadores que estão indo para quarta década desta saudável prática e muitos outros trabalham nas profissões de saúde e até nos locais de negócios, onde alguns anos atrás era inconcebível aceitar – meditação empresarial.

Há algum tempo atrás (1975), o célebre físico teórico e escritor Fritjof Capra, já editava um paralelo entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental, chegando a interpretações incríveis e visionárias.

Mas por que a cultura meditativa tem crescido tanto? A impotência e o custo dos métodos ocidentais e seu falido paradigma cartesiano, seus tratamentos, terapias, psicotrópicos[2] é um fato e não proporcionou a esperada qualidade de vida. A lista de benefícios provenientes da meditação é extensa e não para de crescer.

[1] <http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR73080-6014,00.html> 25/07/2014

[2] <http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/antidepressivos-trazem-mais-prejuizos-do-que-beneficios-2896469> 08/2014.

Se você não tem 15 minutos para meditar duas vezes ao dia, você não tem uma vida. Dalton Campos Roque

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.---- "Se você não quer ser criticado, pelo amor de Deus, não crie nada novo./ A única maneira de pensar fora da caixa é inventar um jeito de sair dela./ Se você quer inovar, deve estar disposto a ser incompreendido./ O fracasso e a inovação são inseparáveis." - Pensamentos de Jeff Bezoz CEO da Amazon internacional

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)