O QUE SÃO ENERGIAS E AS BIOENERGIAS

O QUE SÃO ENERGIAS E AS BIOENERGIAS

Energia é força, vitalidade, é a capacidade de gerar alguma ação ou trabalho.  No universo existem basicamente dois tipos de energias: energia imanente (EI) e energia consciencial (EC). A energia imanente é a mesma coisa que a energia cósmica, é a mais pura e é encontrada no vácuo sideral, mas ela permeia o tempo e o espaço e todos nós estamos contidos nela. A energia consciencial (EC) é fruto da energia imanente (EI) que captamos do cosmos através dos chacras e a formatamos com as características pessoais através de nossos pensamentos e sentimentos.

Enquanto a energia imanente é impessoal e totalmente neutra (nem boa, nem má), a energia consciencial é pessoal e guarda características próprias. Se uma pessoa boa exterioriza energias conscienciais, estas também serão boas, enquanto a simétrica também é verdadeira. A qualidade das bioenergias de uma pessoa independe da linha de pensamento[1] que ela frequenta, mas depende de seus sentimentos (foro íntimo).

Quando a energia imanente atinge a atmosfera do Planeta, ela já carrega as características do ar, ou seja, se torna uma energia aérea. Quando atinge a terra, se torna energia telúrica e assim por diante.

Outros termos para Energia Imanente:

 

Prana – Índia (sopro vital)

Chi – China (força vital)

Ki – Japão (força vital)

Fluido vital – Europa (eflúvio)

Orgoni – EUA

Rá – Egito antigo

 

Na natureza tudo é energia, fato desvendado por Einstein na famosa equação que correlaciona matéria e energia: E=mc2 (mostra a relação entre energia (E) (em qualquer forma) e a massa (m) de um corpo). Embora nossa argumentação possa ser chamada de “rasteira” usando a ciência para tentar endossar o espiritualismo, a equação deve ser válida para outros estados mais sutis de energia – hipótese.

A matéria é energia condensada; a energia é matéria em estado radiante. Logo, “tudo” é energia em graus variados de densidade. Desde o sutil até o mais denso, tudo é energético e natural. No universo existem apenas duas substâncias: a Consciência (a causa ou princípio) e a energia (o efeito ou consequência). A energia é derivada da Consciência. A Consciência não é energia e é incognoscível.


As bioenergias

 

Este termo está sendo utilizado também na ciência cartesiana para designar a produção de meios para energias renováveis: energia solar, eólica, combustível derivado da cana-de-açúcar (biocombustível), etc., mas sua utilização mais antiga e tradicional (bioenergias, ou mesmo bio-energias) é comum nos meios não materialistas e nos estudos da consciência em geral e é a ela que iremos nos referir. Portanto, urge a necessidade de atualizarmos o termo bioenergias para energias bioconscienciais.

Bioenergias, ou melhor, ENERGIAS BIOCONSCIENCIAIS são as energias transformadas pelas formas de vida animal. Captamos energias provenientes do ar, da terra, da água e dos alimentos. Uma vez absorvida, ela adquire as características do “recipiente” que a contém, ou seja, as características de quem a captou. Após captarmos energias provenientes do cosmos, do ar, da terra e dos alimentos, a exteriorizamos naturalmente, seja conversando, pensando, amando. Estas são energias bioconscienciais.

As bioconscienciais vêm da nossa consciência, características pessoais (virtudes e defeitos) e vontade. Quando alguém vai a algum lugar receber uma bênção, um passe, uma simpatia, um descarrego, uma cura espiritual, ser “benzido” ou bento, um tratamento de Reiki, uma Cura Prânica, um Johrei, uma pajelança ou qualquer outra coisa, está recebendo energia de alguém que está doando.

Quando você vai ao acupunturista (aquele que trata com agulhas, esferas ou laser), ao técnico de digitopressura ele está tratando seu corpo energético, chamado duplo etérico, holochacra, energossoma ou corpo fluídico.

Quando você faz Yoga, Tai Chi, Meditação, técnicas respiratórias (pranayamas) você está otimizando sua capacidade de absorção bioenergética.

Alguns médiuns com esta energia conseguem operar prodígios de cura (presentes em muitas religiões e também fora delas). Todos têm uma energia com diversas características, basicamente quantidade e qualidade.

Temos um veículo bioenergético que recebe vários nomes conforme a linha que o estuda: duplo etérico (Teosofia), corpo vital (Rosacruz), pranamayakosha (Vedanta), energossoma (Conscienciologia), corpo bioplásmico ou corpo bioplasmático (Parapsicologia russa) ou simplesmente corpo energético (pesquisadores ocidentais).

Quanto mais pessimista ou de menor autoestima, pior o campo bioconsciencial da pessoa portadora. Quanto mais otimista, melhor o campo bioconsciencial. Convém chamar a atenção para um fato importante: as bioenergias de cada ser independem da religião, loja ou instituição que ela frequenta, inclusive do vocabulário específico da sua linha consciencial (religião, filosofia espiritual, neociência ou para ciência de pesquisas extrafísicas). Alguém de uma linha considerada “atrasada” pode possuir bioenergias muito melhores que alguém de outra linha considerada “avançada”. Ninguém muda o campo bioenergético só porque troca a terminologia ou o grupo que frequenta.

É preciso alterar e elevar o padrão de sentimentos e pensamentos. O resto é ornamentação, transformações cosméticas e não necessariamente cosmoéticas.

A energia imanente em si não é boa nem ruim. A aplicação da mesma é que pode ser boa ou ruim. Energizar é o mesmo que fluidificar ou pranificar.

Quanto à bioenergia nós podemos manipulá-las de três formas:

  • Circulação energética (no interior)
  • Absorção energética (de fora para dentro)
  • Exteriorização energética (de dentro para fora)

 

A característica principal das bioenergias é sua fluidez. A água é um fluído, assim como também o são os gases.

 

A Ação dos Espíritos Sobre os Fluidos – Por Edvaldo Kulcheski[2]:

“É com o pensamento e a vontade que os espíritos agem sobre os fluidos (e não manipulando, como o fazemos com os elementos materiais). Na ‘grande oficina ou laboratório da vida espiritual’, os Espíritos:

 

Imprimem direção aos fluidos (aglomeram, combinam, dispersam);

Mudam suas propriedades (como os químicos fazem com nossa matéria);

Formam conjuntos com determinada aparência, forma, cor.

 

A ação dos espíritos sobre os fluidos pode ser inconsciente por que basta pensar e sentir algo para causar efeitos sobre eles. Dessa mesma forma ocorre conosco no mundo físico, porque mesmo estando encarnados continuamos impregnando, e na grande maioria de forma inconsciente, os fluidos com as energias que criamos através dos pensamentos e dos sentimentos. Mas também pode o espírito agir conscientemente sobre os fluidos, sabendo o que realiza e como o fenômeno se processa.”


[1] Por mais que isto irrite grupos que sintam a necessidade em se auto denominarem superiores e mais evoluídos, é fato irrefutável.

[2] CD Curso Mediunidade sem Preconceito de Edvaldo Kulcheski com autorização do autor.

 

 

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque – auto intitulado como “Tio Dalton” de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade.
—–
Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e “New Age’s”.
—–
Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática.
—–
É simples, irreverente, se denomina “caipira” e “sente muitas saudades de seu planeta”.
—–
O que mais aprecia é escrever, aprender, criar “coisas” novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. — -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)