O ESPIRITUALISMO E A HOSTILIDADE HUMANA

O ESPIRITUALISMO E A HOSTILIDADE HUMANA

O ser humano, depois do iluminismo vem se intelectualizando cada vez mais. A ciência deu um salto exponencial nos últimos 100 anos. Doutrinas, sistemas, linhas de pensamento, vêm surgindo de forma avassaladora. A tecnologia se impõe acima de tudo. O velho paradigma faliu em meio a tudo isso.

Grupos de afinidade de juntam e formam sistemas de estudo e metodologias interessantes e originais. Escolas mais antigas como a Rosacruz perseveram nos tempos atuais, se adequando a modernidade. Surgem novos pensamentos como a Teosofia, a Eubiose, a Gnose, o Espiritismo, a Conscienciologia, entre outros, cada qual com suas próprias tendências.

Suas teorias, hipóteses e argumentos vêm se tornando cada vez mais sofisticadas. Mas não vemos resultados práticos nas ruas, lares, empresas e locais de trabalho.

Creio que o homem nunca se tornou tão hostil e competitivo. Talvez eu esteja exigindo muito, afinal largamos o tacape pelas armas de fogo, e nós não-materialistas largamos a arma de fogo pelo verbo. O antagonismo, o contraponto, o embate, a disputa moral, ideológica, clubista de quem está com a verdade, quem está na frente, quem é de ponta, etc.

Repito, não sei se estou exigindo muito, afinal no paradigma cartesiano Darwin nunca esteve tão certo – a lei do mais forte impera. Se fosse apenas no trânsito estaria tudo bem, mas começa no lar com o casal, entre os irmãos, depois vai a empresa e termina na ideologia, na teoria, nos conceitos, na fé, nas hipóteses.

Mas quando vira ofensa, disputa de clubes igual a futebol em que as torcidas brigam. É um festival de “ódio evoluído” para tudo quanto é lado. Lembra-me Átila[1], rei dos Hunos – “quem não está comigo, está contra mim”.

É possível – não apenas num grupo, mas em vários – as humilhações públicas e os linchamentos morais e bioenergéticos, daqueles que cometeram seus deslizes diante dos preceitos de tal grupo (deslizes do ego humano comuns). Há casos absurdos que são filmados e postados na internet num festival imoral e amoral de absurdos “evoluídos”.

Mas diante de uma época de tanta tecnologia e intelectualidade, ainda efetuam ações dos tempos das cavernas, e não adianta tentar explicar ou convencer ninguém de que estão errados, a tentar exercer um pouco de tolerância, flexibilidade e paciência, já que não dá nem para aproximar dos termos amor e ética nesses contextos (cosmoética então, nem pensar).

Diante de tanta teoria e doutrina ostentada pela intelectualidade, vaidade e arrogância eu prefiro o silêncio e a retidão da busca pela reforma íntima – mesmo sem receita – ou com o nome ou expressão que você leitor deseja dar, longe de tais grupos, sejam pequenos, médios ou grandes. É preferível ser um “mini dissidente” cosmoético do que não ser dissidente e ser anti-ético.

[1] Átila, o Huno (406 – 453), também conhecido como Praga de Deus ou Flagelo de Deus, foi o último e mais poderoso rei dos hunos. Governou o maior império europeu de seu tempo desde 434 até sua morte.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)