O QUE É COSMOÉTICA

O QUE É COSMOÉTICA

Vamos analisar como funciona a lei evolutiva, a lei kármica, a lei consciencial e não o julgamento e o moralismo social e humano, que depende dos hábitos, costumes e leis temporais relativas. A cosmoética é magna e inexorável e é isenta de julgamento ou moralismo.

Também chamada de: ética consciencial, ética suprema, código de ética dos serenões[1]; ética avançada; ética multidimensional; ética multidensional[2]; moral cósmica; lei do retorno; lei cármica; justiça universal; justiça divina; exemplarismo[3] assistencial; autoincorruptibilidade[4] lúcida, etc.

É ela quem regulamenta o que é “certo” e o que é “errado” no contexto evolutivo de cada raça, espécie, tempo, espaço, dimensão, multiverso, universo, etc. Mas por que contexto relativo e por que o certo e o errado entre aspas?

O contexto relativo é o de momento. Num local e época é permitido ter duas mulheres, noutro é permitido o aborto e noutro não é permitido nenhuma das duas. Esta é a chamada ética ou moralismo humanos, que variam conforme a cultura, é o domínio das leis da época e da região. Então o “certo” para um não é o certo para outro. Tudo é relativo conforme os costumes da época e região. Na Índia a vaca é sagrada, no ocidente fazem churrascadas. Isto é o contexto relativo que temos que tentar entender. Isto é o “certo” e “errado” humanos de contexto, ou seja, o que é legal, moral e ético em dado local e tempo, em dada cidade, país ou cultura em função de tradições, hábitos e costumes.

Mas o que é legal, ético ou moral, seja onde e quando for, pode não ser cosmoético. A cosmoética é a “ética” dos espíritos ou consciências superiores. A ética humana é relativa e cheia de imperfeições. A cosmoética é perfeita, é a ética dos espíritos superiores. O ponto de vista da cosmoética não é apenas intrafísico e materialista, é também extrafísico, multidimensional (multidensional) e considera o karma, a reencarnação e os veículos sutis (holossoma).

Então o que pode ser legal (por exemplo o aborto é legal no Japão), pode não ser legal para a cosmoética (algo anticosmoético). Para a cosmoética o aborto sempre irá gerar algum karma negativo considerando atenuantes e agravantes. Sabe-se que karma é ação e reação e pode ser positivo (bom) ou negativo (ruim).

Assim a cosmoética é única, depende das leis evolutivas, leis espirituais ou leis conscienciais. Estas leis NÃO SÃO MORALISTAS, não julgam, não são emotivas, não são vingativas, são impessoais, são isentas e PERFEITAMENTE JUSTAS. Estas leis são tão poderosas (leis kármicas) que nem os espíritos superiores podem modificá-las, burlá-las ou alterá-las. Eles apenas a percebem, a compreendem, e por inteligência evolutiva, a respeitam. Todo amparo espiritual evoluído é baseado na cosmoética. Todo amparo espiritual que não respeita a cosmoética é realizada por “guias cegos” ou amparadores de baixo nível consciencial. Um exemplo disso é o médium que ouvindo seu guia, adverte o consulente e o constrange em voz alta em seu grupo de atendimento.

Quanto mais atrasado evolutivamente é uma sociedade, menos ela percebe a cosmoética.
Quanto mais evoluída é uma sociedade, mais ela percebe, sente e vivencia a cosmoética. Portanto, quanto mais leis necessita um grupo social, mais atrasado ele é, pois numa sociedade evoluída há a percepção natural da cosmoética, não a cognitiva, intelectualizada, mas a fluente, natural e de hábitos estabelecidos. Não é necessário estudo de teorias ou verbetes “sofisticados” sobre cosmoética, uma sociedade evoluída fará isso intuitiva e instintivamente de modo fraternal amplo e irrestrito.

A questão da cosmoética é bastante complexa e sofisticada. Ela não é simplesmente reducionista e limitada como os humanos se posicionam assim: “eu sou contra algo” e “eu sou a favor de algo”. Isto é o reducionismo da humanidade que não percebe a amplitude, inteligência, beleza e justiça da cosmoética e às vezes seus complicados paradoxos. Os humanos acham que a coisa é simples, ser apenas a favor ou contra e não pesam o contexto, não ponderam as variáveis intervenientes, as variáveis ocultas e as forças visíveis e invisíveis que atuam no processo. Por isto julgam e já condenam.

Dizer que se é simplesmente contra ou a favor de algo são ambas opções de julgamento incipiente e reducionista. Inclui-se tudo, não apenas o aborto, a pena de morte, a eutanásia, porte de armas, a destruição de embriões, o homossexualismo, o uso de drogas em contexto iniciático ou ritualístico, a clonagem, os transgênicos, a poligamia, o vegetarianismo, a infidelidade consentida e tudo mais que pode gerar polêmica.

Então o que a cosmoética faz, não julga e nem condena como nós humanos fazemos nos achando donos da verdade absoluta, levando em consideração apenas nossos umbigos emotivos e sem “enxergar” e captar algo além, é ponderar com justiça os atenuantes e agravantes de contexto.

Então se alguém foi estuprado ou simplesmente engravidou, etc e tal, ou se é pobre ou rico, se tem cultura ou não, são variáveis intervenientes, mas se algo aconteceu com você, comigo ou com ela, é porque nosso karma permitiu. Isto é ponto pacífico. Se entrei numa roubada, a roubada indica que é minha culpa pelas leis dos semelhantes. Assim: “semelhante atrai semelhante”. Se alguma violência aconteceu com a “coitadinha”, alguma coisa há por detrás karmicamente, que nossos umbigos mesquinhos não conseguem ver. Paixão não é amor, emoção não é sentimento, cultura não é sabedoria, crença não é fé, intelectualidade não é discernimento, poliglotismo não é comunicabilidade, subserviência não é humildade e ego não é consciência.

Estamos colhendo as semeaduras do passado enquanto semeamos a colheita do futuro.
Então após ler este texto vem um incauto emocionado e diz: “mas não é por isto que não devemos ter compaixão”!

Eu não entrei no mérito da assistência e compaixão ainda. Na introdução o que falei? Que iria analisar sob o prisma da LEI, apenas da Lei, sem moralismos e pieguices humanas. Isto chama-se análise dos fatos, ciência isenta. Além do mais há uma confusão entre: análise x julgamento; entre compaixão x dó; e entre assistência x ego.

Já cansei de fazer análises cuidadosas e após expô-las ouvir: “não julgueis para não ser julgados”. Não entendeu nada que analisei e ainda me julgou. Mas discernimento consciencial é algo bastante difícil de exercer.

Depois confundem a dó umbilical com compaixão serena. São duas coisas diferentes. A dó você sente na barriga, no umbigo, se emociona, chora ou fica com raiva do algoz, fala mal de alguém pessoalmente, não faz nada, não ajuda ninguém, julga o outro e sai indignado achando que prestou um serviço maravilhoso. A compaixão é serena, equilibrada, sente-se no peito dentro do chacra cardíaco, sem emoção densa, sem complexo de superioridade e faz alguma coisa em silêncio para ajudar a outros. Pode ser uma vibração sadia, uma oração com boa sintonia e sem emoção densa e assim vai.

Sobre assistência e ego, também são duas coisas diferentes. Há muitos espiritualistas e religiosos fazendo “caridade” mais para seu próprio ego do que para ajudar a outrem, não vou discorrer mais nesse tópico. São apenas sentimentos de superioridade.

Então o que regulamenta a evolução consciencial das espécies? O karma e a cosmoética.
Qual o sistema pedagógico consciencial destas leis? Errou adquire karma negativo, acertou adquire karma positivo, errou mais adquire mais karma negativo e assim vai sem pieguice e sem moralismos julgadores. Isto é independente de doutrinas, sistemas filosóficos, linhas de pensamento, crenças ortodoxas, instituições obtusas, etc.

Então um aborto pode gerar um karma negativo violento num contexto ou um karma negativo menor noutro, mas o fato é que sempre irá gerar algum karma negativo[5], pois em cada caso sempre existirá os atenuantes e os agravantes que os humanos em sua visão e percepção rasa não irão enxergar ou captar. Os humanos julgam com sua inciência: “coitadinha, pobre, sem cultura, humilhada, abandonada e estuprada, blá, blá, blá…”

O fato é que:

  1. Há um karma por detrás;
  2. Nada impede nossa compaixão e assistência real mesmo se for um aborto estúpido, egoísta e de má fé;
  3. Seja lei da época e do local onde houve o aborto, como for, a cosmoética irá atuar de qualquer jeito, retificando mais ou menos a pessoa conforme o mérito e demérito combinados.

Dissertado isto, sabemos que as devidas “punições” e “consolos” (karma impessoal) sempre chegarão a todos no seu devido tempo e na medida certa, até mesmo para quem cuspiu na calçada ou limpou a boca no pano de prato.

mudança

O que realmente pega numa sociedade é que ela será tanto mais evoluída (assim adquire menos karma negativo) tanto quanto suas leis se assemelharem a cosmoética. E se no meu ver, a cosmoética solicita que evitemos o aborto ao máximo possível (sempre pesando atenuantes e agravantes), então tanto melhor e mais evoluídos seremos se nossas leis também evitarem o aborto assim como evitar a pena de morte e a eutanásia.

Como se dá a descoberta da cosmoética? A descoberta ou percepção da cosmoética é algo íntimo e intransferível. Não se impõe cosmoética, não se ensina a cosmoética, não se entende a cosmoética. Quando o ser ou sociedade não estão maduros, não adianta, terão que aprender pelo erro e acerto, pela dor, pela didática consciencial do karma negativo (pedagogia evolutiva).

Quais os perfis conscienciais mais predispostos a entenderem a cosmoética? Os universalistas de coração, nem tanto os “universalistas” intelectuais. Principalmente se forem bons médiuns e/ou projetores conscientes, pois em contato com espíritos mais evoluídos, estarão predispostos a dialogarem diretamente com eles sem precisar de ler nada por terceiros. Os materialistas não conseguem perceber a cosmoética, só percebem o social, a saúde pública sem visão de conjunto maior, embora possam ser bons éticos.

Qual um exemplo de cosmoética onde ela desafia a ética? A cosmoética pode ser convergente ou divergente com a ética. Suponhamos um país onde a eutanásia seja proibida. Há um paciente em estado vegetativo sustentado apenas por máquinas. Segundo as leis deste país é crime desligar estas máquinas, embora o tempo de vida dele já tenha se escoado de fato. Seu parente próximo, um excelente projetor consciente sabe que não poderá desligar estes aparelhos, então ao deitar ele se oferece aos amigos espirituais (amparadores) para auxiliar no desencarne de seu parente amado.

Sabemos que muitas pessoas com energias boas são retiradas do corpo durante o sono para que estas energias possam ser utilizadas em locais onde ocorrem assistências extrafísicas e resgates em locais densos como nos umbrais. Muitos de nós são utilizados com estes nobres propósitos pelos amigos espirituais (amparadores). Sabendo disso podemos prosseguir no relato do exemplo.

Uma pessoa está em estado terminal, preso a cama de um hospital e mantido por um fio de vida corporal e mantido por aparelhos. Sabendo que a eutanásia não é permitida em vários países e assim é considerada crime.

Então se a família do doente pede uma assistência espiritual e um amparador resolve atendê-los. Este amparador poderá pegar um projetor, ajudar a sacar seu corpo astral (psicossoma ou perispírito) para ajudar na assistência ao paciente. Claro que a família está sofrendo e deseja que o paciente se cure e retorne a vida plenamente. Mas o amparador que segue para assistência ao doente sabe que o prazo do tempo da encarnação do doente terminou e que a assistência real consiste em fazê-lo desencarnar e desencarnar bem. Então segue com o projetor projetado para o hospital onde se encontra o paciente e aplica-lhe energias para romper definitivamente o cordão de prata desencarnando-o.

O paradoxo aqui é que a cosmoética solicita que “mate” o paciente ao invés de tentar prolongar sua vida. Ela, a cosmoética, sabe que neste caso não é uma eutanásia, mas ocorria uma distanásia, ou seja, o prolongamento desnecessário ao processo kármico do paciente, por isto a verdadeira assistência consiste em desencarná-lo.

O que acontece é que devemos obedecer às leis sociais e humanas, pois somos obrigados a isso. Mas as leis, por melhores que sejam, não são perfeitas e sempre apresentarão deficiências de contextos. Em se tratando de ser humano, de consciência, de evolução e espiritualidade, cada caso é único. Então devido a nosso baixo nível de consciência espiritual, não conseguimos (nós encarnados) determinar se já é hora do paciente ir (discernir em cada contexto o que é distanásia ou eutanásia). A lei determina que os aparelhos não podem ser desligados e temos que obedecê-la. Porém, neste caso específico (pode haver outros casos diferentes) a assistência é realizada de modo a desencarnar o paciente.

Esta é a relatividade da cosmoética. O que aqui na sociedade pode ser considerado crime, pela cosmoética poderá ser correto (depende do contexto). O que aqui pode ser considerado correto, pela cosmoética pode ser considerado crime (depende do contexto). Quanto mais evoluídas são as criaturas, sejam elas encarnadas ou desencarnadas, mais elas têm percepção da cosmoética.

Há países onde é legal o suicídio assistido. Então obedecidos os detalhes da lei, quem se candidatar a tal empreitada terá ajuda de terceiros para desencarnar. Embora seja legal no tal país, será anticosmoético pelas leis evolutivas e adquirir-se-á carma negativo.

Onde se aplica a cosmoética na vida humana? Em todos os locais, eras, tempos, regiões ou culturas. Também em todos os planetas, galáxias, multidensidades e multiversos. É aplicada 24 horas por dia em todas as instância da vida, seja mineral, vegetal ou animal. Tudo tem uma explicação, uma justiça, um sentido, uma ordem e uma coerência por detrás, mesmo que não consigamos perceber.

A qualidade da nossa cosmoética vai implicar diretamente na qualidade das nossas bioenergias, no biocampo informacional, a aura e os chacras. Se somos cosmoéticos, a nossa tendência é de atrairmos a atenção de consciências que são igualmente cosmoéticas, pois o semelhante se atrai. E então teremos boas companhias dentro e fora do corpo, teremos pessoas melhores do que nós, que nos ajudam, orientam, amparadores de maior competência.

Não se pode exigir de uma pessoa menos evoluída, menos desperta, o mesmo nível de conduta cosmoética de uma pessoa mais evoluída e mais desperta. Por exemplo: um índio na floresta mata animais porque isso faz parte do contexto dele, não existe nada de anticosmoético. Mas, se um de nós vai caçar para matar animais, isso é completamente anticosmoético.

Nosso planeta Terra é um grande hospital-escola de bilhões de sonâmbulos participando de diversos grupos “evoluídos” cada qual com sua verdade absoluta e/ou relativa, com sua superioridade proselitista em sua competição egóica que ainda não acordou para a Cosmoética.

Visite este link para entender mais e depois releia nosso artigo:

http://super.abril.com.br/cultura/dilemas-morais-voce-faria-447542.shtml?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_super&

[1] É uma consciência que se encontra no ápice da nossa atual etapa evolutiva e representa o grau máximo de evolução que podemos atingir na dimensão intrafísica no planeta Terra. Por conseguinte, o Serenão encontra-se em suas últimas, ou em sua última encarnação. Ao final dessa última vida intrafísica ele passa a condição de consciência livre, onde inicia um novo ciclo evolutivo sem necessitar mais de reencarnar.

[2] Multidensional é o novo termo proposto por Dalton Com. Roque/Ramatís em substituição a multidimensional. Vide livro Estudos Espiritualistas – Desvendando os Caminhos destes autores.

[3] Derivado de exemplo.

[4] Condição mais evoluída que possui a consciência de evitar mentir para si mesmo. Condição de evitar autodesculpas e justificativas para seus erros e omissões conscientes e inconscientes.

[5] Há um fato claro sobre o aborto: quem defende o aborto em certas circunstâncias críticas (direto inalienável dado pelo livre arbítrio) não pode deixar de levar em consideração que energeticamente é a mãe que sofre a maior agressão e trauma. Não é o estupro (p. ex.) que é a maior violência contra a mãe, é o aborto, tanto a nível físico, quanto a nível psíquico e muito mais ainda bioenergético.

Se você acha que este texto pode auxiliar alguém espiritualmente compartilhe e divulgue, obrigado!

Ah, deixe seu comentário, isso pode me ajudar a criar outros conteúdos.
E vote nas estrelinhas bem ao fim.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.---- "Se você não quer ser criticado, pelo amor de Deus, não crie nada novo./ A única maneira de pensar fora da caixa é inventar um jeito de sair dela./ Se você quer inovar, deve estar disposto a ser incompreendido./ O fracasso e a inovação são inseparáveis." - Pensamentos de Jeff Bezoz CEO da Amazon internacional

COMMENTS (1)
Responder

Adorei.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)