NO DESERTO DA CONSCIÊNCIA

NO DESERTO DA CONSCIÊNCIA

Eu caminhava só no meio do deserto;

Estava descalço e nu, enquanto o sol escaldava minha pele;

Cada momento parecia uma eternidade;

Só não sofri mais porque estava envolvido em infinita solidão;

O que me manteve foi a esperança;

Durante o dia eu bufava no calor e a noite gemia de frio;

Não entendia aquela situação e achava injustiça de Deus e então blasfemava…

A solidão me corroeu por incontáveis séculos, enquanto as estrelas percorriam seus caminhos ;

Um dia com a existência ressequida eu entreguei os pontos e em posição fetal tombei ao chão implorando a Deus por minha vida;

Minhas lágrimas já estavam secas e minha expressão cadavérica despertava temor ou profunda compaixão;

De repente comecei a sentir um aroma diferente;

Ao fundo um cântico suave de vozes femininas.

Aquele calor tremendo foi passando e uma suave brisa de esperança se instaurou em meu coração;

Aquela luz era intensa e confortadora, suave e afetuosa…

Era uma luz repleta de ternura e compaixão;

Pude reparar naquelas pessoas vestidas de branco e azul, firme expressão de confiança e serenidade, enquanto emanavam um amor que jamais conheci.

Elas se aproximaram, estenderam suas mãos e me recolheram com amor em uma pequena maca.

Eu reparei budistas, hinduístas, cristãos entre outros tipos trabalhando juntos.

Confesso, no princípio cheguei a sentir medo, mas aqueles sorrisos serenos me reconfortavam enquanto ouvi:

_Esteja em paz filho;

_Viemos lhe ajudar.

Quando aquela mulher linda e brilhante me abraçou eu explodi em séculos de lágrimas convulsivas que antes estavam represadas.

Me desmanchei em prantos de infinita gratidão.

Eu esperava nojo e rejeição, mas não, eu recebi um abraço maior que o de minha mãe.

E a minha volta, outros como eu, cujos, jamais havia percebido, estavam também sendo abraçados e resgatados.

Então adormeci…

Semanas depois eu despertei num hospital e aos poucos fui perceber que eu havia desencarnado há muitos anos e não sabia.

Eu estava agora em um hospital extrafísico me recuperando.

Eu e outros havíamos sido resgatados no umbral do orgulho e da intelectualidade.

Aos poucos fui recobrando a memória de quem eu havia sido em vida e qual a minha personalidade.

Era estudioso, intelectual, lia muito e liderava grupo que abrangia uma grande extensão.

Lembro-me que acreditava na pureza da doutrina que estudava e a impunha como verdade última.

Por esta filosofia e pelo importante e influente cargo que possuía, influí em muitos grupos e impedi muitos atendimentos priorizando apenas a evangelização e doutrinação.

Estava seguro de minha atitude e opção, de minha “salvação”, cego em meu orgulho.

Tudo fazia com orgulho em nome de Jesus a quem me referia e me achava um bom cristão.

Só depois fui entender que não basta boa vontade, é preciso discernimento.

O orgulho e o intelectualismo sem amor e humildade endurecem o coração e nos deixam cegos.

Percebi que os muitos grupos que deixam de fazer atendimentos, prejudicam milhares de pessoas, cujas, muitas delas não entenderão tal filosofia nesta vida, devido a seu baixo nível intelectual.

E pelas leis de Ação e Reação (karma) eu colhi o que plantei.

Muitos dos resgatados no umbral a minha volta eram meus amigos e participavam da cúpula de nossa liderança quando encarnados.

Agora aprendi que nada vale nenhuma doutrina, filosofia, seita, religião, ciência, grupo, opção evolutiva se ela não serve, não acolhe e não ampara.

E para tal mister não é necessário nem doutrina, nem ciência, nem livro sagrado, nem intelectualidade ou parapsiquismo, basta amor no coração.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.---- "Desvio-me daquilo que não posso aperfeiçoar e me aproximo daquilo que posso. Se não tenho condições de curar meu corpo, tenho condições de curar minha mente e, assim, me libertar para tomar decisões sensatas. Eu escolho o que me preocupa. O pensamento pode ser dirigido tanto para o caos quanto para a quietude. Posso optar por não esboçar infinitamente as “causas” das minhas dificuldades e projetar, no futuro, as suas limitações e agonias. Se não posso evitar que certas pessoas me condenem, posso parar de analisar seus motivos e deixar de defender meus atos. Não importa de quais aspectos eu não goste ou tenha medo, posso interromper minhas desgastantes tentativas de torná-los perfeitos." Hugh Prather - A Arte da Serenidade

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)