POSITIVISMO DA CIÊNCIA

POSITIVISMO DA CIÊNCIA

Com o pragmatismo da ciência e da razão surge o método positivista que é o método geral do raciocínio proveniente de todos os métodos particulares (dedução, indução, observação, experiência, nomenclatura, comparação, analogia, filiação histórica, descrição físico-matemática).

O Positivismo é um conceito utópico que possui distintos significados, englobando tanto perspectivas filosóficas e científicas do século XIX quanto outras do século XX. Desde o seu início, com Augusto Comte (1798-1857) na primeira metade do século XIX, até o presente século XXI, o sentido da palavra mudou radicalmente, incorporando diferentes sentidos, muitos deles opostos ou contraditórios entre si.

 

Nesse sentido, há correntes de outras disciplinas que se consideram “positivistas” sem guardar nenhuma relação com a obra de Comte. Exemplos paradigmáticos disso são: o Positivismo Jurídico, do austríaco Hans Kelsen, e o Positivismo Lógico (ou Círculo de Viena), de Rudolph Carnap, Otto Neurath e seus associados.

Assume-se o empirismo como forma de obtenção do conhecimento a partir da observação, mas sabe-se hoje, há ressalvas. O que é a ciência? Uma resposta possível poderia ser: é o conhecimento produzido a partir da observação. Parece ser uma resposta bem razoável, pois aparentemente grande parte do conhecimento vem sendo produzido a partir de observações cuidadosamente executadas, inclusive pela estatística, cada vez mais utilizadas por governos e máquinas de poder, e também, claro o que denominamos experimentos baseados em métodos.

Entretanto não é qualquer observação que produz um conhecimento científico no paradigma vigente. Para que possamos produzir um conhecimento científico algumas precauções devem ser tomadas. Devemos realizar uma observação de forma isenta e neutra, sem se deixar contaminar pelas nossas crenças e preconceitos – facciosidade, interesse, paixão. Mas até mesmo a contemporânea Mecânica Quântica questiona esta pretensa isenção.

 

A ciência e seu agente humano não devem querer provar alguma coisa ou ponto de vista, mas entender a verdade relativa de contexto e aprender com ela.

 

Esta forma de se ver a ciência é o que denominamos empirismo. Segundo esta concepção, todo empreendimento científico inicia-se com a observação.

Podemos enunciar o método de aquisição do conhecimento da seguinte forma: para a obtenção de um conhecimento científico, deve-se iniciar com uma observação realizada de forma livre, sem nenhum preconceito, suposição ou conhecimento anterior. Caso contrário não se chegaria a um conhecimento verdadeiro, pois o observador poderia acabar manipulando o resultado, mesmo que não tivesse tal intenção. Diga-se de passagem, que nos experimentos da Parapsicologia além da fraude do pesquisado (consciente ou inconsciente), há também a fraude do pesquisador (inconsciente).

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque – auto intitulado como “Tio Dalton” de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade.
—–
Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e “New Age’s”.
—–
Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática.
—–
É simples, irreverente, se denomina “caipira” e “sente muitas saudades de seu planeta”.
—–
O que mais aprecia é escrever, aprender, criar “coisas” novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. — -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)