MITOS SOBRE PROJEÇÃO ASTRAL

MITOS SOBRE PROJEÇÃO ASTRAL
  • “A meditação atrapalha a projeção consciente” – Este mito é justificado dizendo que “a projeção é de dentro para fora” e como “a meditação é de fora para dentro”, há uma força contrária atrapalhando a saída do corpo. Mas o erro é que se limitaram a visão da condição espacial e não enxergaram a condição consciencial. Do ponto de vista consciencial a meditação é de fora para dentro, mas não afeta as questões espaciais. Aliás, muito pelo contrário, quem já praticou meditação com disciplina, regularidade e por prazo mínimo, sabe que ela auxilia as saídas do corpo (experiência pessoal).
  • “A projeção é perigosa” – medo incutido por teóricos que nunca tiveram uma projeção lúcida sequer e por grupos que mesmo diante da era da informação, insistem em reter o conhecimento fechado, para que seus discípulos os obedeçam, paguem pelos ensinamentos e os sirvam.
  • “Você poderá morrer, um Mago Negro poderá cortar seu cordão de prata – O cordão de prata não é físico, ele é energético. Então como poderá ser cortado? Só o karma poderá romper qualquer cordão de prata.
  • “Um espírito poderá ocupar seu corpo” – O primeiro fato é que nem mesmo na mediunidade de incorporação há a entrada de algum espírito no corpo do médium, apenas acoplamento áurico. E além do mais, dois corpos não podem ocupar o mesmo local no espaço e na mesma dimensão (multidensidade).
  • “Deve-se fazer jejum sexual para se projetar bem” – A prática indica justamente o contrário, pois a relação sexual retira o lastro bioenergético do respectivo chacra aliviando o percipiente e também evitando as vampirizações de intenção sexual. Existe prática projetiva baseada em sexualidade.
  • “Não coma carne vermelha para se projetar” – a alimentação como rotina de vida influencia sim, mas de forma particular e contextual relativa, pois o que faz mal a um, faz muito bem a outro, demonstrando na prática o contrário. Portanto não é sábio tentar manter esta errônea regra radical. A alimentação que prejudica a projeção é a densa, exagerada e próxima da hora de se deitar. É recomendado aos candidatos a projetores não ingerirem comidas gordurosas e oleosas nas 3 horas próximas ao deitar como: café, amendoim, castanhas, nozes e chocolate, pois estes bloqueiam o chacra umbilical lastreando o projetor.
  • “Coma carne vermelha para fazer assistência no umbral – Outra regra que também não funciona, face à realidade de conhecermos vários vegetarianos de excelente competência projetiva, que fazem excelente trabalho de resgate extrafísico em planos densos (umbralinos). Não estamos discutindo nutrição e nem o fator saúde, que também é relativa e particular.
  • “Fumar atrapalha a projeção” – Infelizmente fumar não atrapalha a projeção. Eu adoraria dizer o contrário, pois detesto o fumo. O que acontece é que fumar bloqueia as energias do cardiochacra causando infarto, contamina o laringochacra e outras consequências.
  • “Não existe sonho fora do corpo” – há muitos projetores inconscientes que estão dormindo fora do corpo e literalmente sonhando como autômatos condicionados.
  • “Você pode se projetar, se perder e não voltar” – não há como se perder, pois o cordão de prata sempre retornará o projetor em segurança.
  • “O cordão de prata pode se enroscar” – como o cordão é energético e não físico, não há perigo de se enroscar em nada.
  • “O cordão de prata pode se partir” – se nem os maus espíritos e os magos negros podem romper seu cordão de prata, muito menos acontecerá sozinho por efeito de esticão.

Livro Técnicas Práticas Projetivas Bioenergéticas: www.amazon.com.br/dp/B00IHPPW62 


Cursos de projeção formatados

Com a abertura do conhecimento ante a infoera não existe mais esoterismo, pois a viagem astral se tornou exotérica, ou seja, aberta e sem segredos. Além de encontrarmos vasto material na Internet, alguns grupos e instituições criaram e formataram cursos de projeção astral. Nada contra, mas a formatação rigorosa, intransigente e inflexível, que não permite o toque pessoal do professor (caso seja de fato um prático e não um teoricão) é lavagem cerebral e imposição dogmática. Conheci num grupo de discussão da Internet, um ex-professor de experiências fora do corpo, que trabalhou como voluntário numa instituição, que após dar seu toque pessoal no tal curso formatado, foi literalmente apertado na parede com as mãos no pescoço por um “guru”.

Esta questão suscita dois lados de uma mesma moeda. O lado positivo é a divulgação do conhecimento. O lado negativo é um excesso de professores teóricos e cursos excessivamente formatados ensinando com baixa qualidade.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)