ECTOPLASMA ALIMENTAÇÃO PARAPSIQUISMO

ECTOPLASMA ALIMENTAÇÃO PARAPSIQUISMO

Ectoplasma (do grego: ektós, por fora; e plasma: molde, substância), termo cunhado por Charles Richet (1850-1935), ganhador do prêmio Nobel de medicina em 1913.

Sinônimos – atmoplasma, éter vitalizado, hylê, ideoplasma, paquiplasma, primeira matéria, psicoplasma, teleplasma.

Nesta altura você já entendeu o que são bioenergias. Em certas condições, a bioenergia pode se apresentar em forma de ectoplasma. É a bioenergia com determinadas características. Já que as bioenergias são fluidas, e como tal possui vários graus de densidade (física), o ectoplasma é um tipo de bioenergia mais denso e poderoso, podendo até ficar visível aos olhos de pessoas comuns sem necessidade de ser clarividente.

Possui contextura intermediária entre o estado gasoso e o etérico. É composto de fósforo, potássio e glicose e cheira a ozônio. Muitos médiuns de cura o possuem em abundância e assim realizam grandes prodígios através de cirurgias espirituais.

Em trabalhos fortes de bioenergias o doador de ectoplasma perde peso, pode sentir coceira no rosto, principalmente na cabeça ou até no corpo. É natural lacrimejamento seguido de bocejos. Conforme o caso, as roupas do doador podem ser até perfuradas, e neste caso estes resíduos de tecido acabam se volatilizando e se misturando ao ectoplasma.

O ectoplasma é volátil e tem cheiro de ozônio e não suporta luz direta. Os trabalhos bioenergéticos devem de preferência ser realizados no escuro ou penumbra e em baixa temperatura. Alguns técnicos levam vasilhames d’água para o ambiente destes serviços. Pois a água contribui com bastante energia nestes casos. Sugerimos o livro Materializações Luminosas de Rafael A. Ranieri, pela Ed. Lake.

 

Alimentação e Ectoplasmia

Num sujeito naturalmente ectoplasta a alimentação vai influir no aumento ou diminuição do ectoplasma. Num caso de desgaste energético é importante fazer reposição eletrolítica com soro fisiológico em médiuns ectoplastas após seus serviços de atendimento.

Num caso de prevenção é aconselhável comer nozez, castanha do pará, castanha de caju e um pouco de amendoim – esta segunda testada por mim. Sou gerador de ectoplasma e chego a estragar máquinas.

O ectoplasma é fabricado por todas as células do corpo, mas mais intensamente pelas células mais internas, mas próximas dos ossos. O ectoplasma deve ser fabricado no condrioma (casa de força de célula) – hipótese minha, Dalton.

O ectoplasma se acumula muito no intestino grosso e pode causar uma série de desconfortos se não for exteriorizado em trabalhos assistenciais inclusive doenças – autopesquisa.

Médiuns de cura e de incorporação que não trabalham seu ectoplasma em alguma forma de doação assistencial podem muito facilmente apresentarem sintomas repentinos e sem motivo de males físicos (doenças) e psíquicos que vão se agravando e tornando-os doentes e até desequilibrados (a beira da loucura) caso não trabalhem – estes NÃO possuem livre-arbítrio estão no serviço compulsoriamente e se dão mal em todos os sentidos ao não executarem a missão programada para sua encarnação presente.

 

Ectoplasma e parapsiquismo

Algumas pessoas tem um poder de autopercepção sinestésica e alguns chegam a uma autoscopia interna que é como uma clarividência interna de si mesmo, de seus orgãos, alguns veem de forma microscópica, etc, é um parapsiquismo raro e fantástico. Estes podem avaliar com grande exatidão como os alimentos agem dentro de si para efeito de influência na produção de seu ectoplasma.

Não existem alimentos sadios que atuam na soltura do duplo etérico – (pelo menos não se conhece até 2015 com eficácia razoável), já que é esta soltura que – em maior parte – define a mediunidade e o parapsiquismo do sujeito, inclusive na projetabilidade. Já existem estudos sobre alimentação evolutiva, inclusive sobre estimular e melhorar a saúde da glândula pineal, no entanto, não existem testes comparativos e experiências de grupos para afirmar ou negar isto, inclusive até que ponto é válido na prática.

A ingestão de substâncias tóxicas (álcool e drogas) atuam de tal forma agressivas que aumentam a soltura do duplo de forma abrupta e patológica podendo causar danos permanentes. Daí os usuários terem “viagens”, estados de relaxamento e expansão de consciência nessas utilizações não recomendadas.

O autodomínio energético (práticas bioenergéticas) vem com muita prática, infinita paciência e muito autopesquisa, mas este é o caminho sadio e gradual para o autodomínio bioenergético e para aumento do parapsiquismo, da mediunidade e das projeções conscientes.

O autodomínio energético pode ajudar muito no caminho da imperturbabilidade psíquica-energética (autoproteção bioenergética), mas pode reforçar vários egos como o orgulho e arrogância. Antes de desenvolver demais o autodomínio bioenergético é fundamental trabalhar os pensamentos – sentimentos pessoais, dominando os egos, para depois dominar as energias. Trabalha-se antes o pensene, a virtude, os egos, depois as energias, este é o melhor e mais rápido caminho.

Um bom pensene (pensamento – sentimento – energias) padrão leva ao voluntariado, a humildade lúcida e madura, a fraternidade de auxilar o irmão, ou seja, trabalha os chacras mais altos, do cardiochacra para cima, garantindo que os 3 de baixo não irão dominar o controle da criatura.

A criatura pode ser um potente bioenergético, um ostensivo médium, um super projetor consciente, ter um alto QI com uma montanha de cultura e ser um completo incauto evolutivo pelo fato de não ter investido virtude em seus pensenes.

 

Todos possuem ectoplasma?

Sim, todos possuem ectoplasma. O que diferencia os médiuns ectoplastas dos outros é que o ectoplasma consegue ser retirado de dentro do corpo destes pelos espíritos para efetuarem ações físicas, incluindo curas. Estes médiuns possuem as energias muito fluidas e flexíveis e ao doar o ectoplasma dormem profundamente (transe).

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.---- "Desvio-me daquilo que não posso aperfeiçoar e me aproximo daquilo que posso. Se não tenho condições de curar meu corpo, tenho condições de curar minha mente e, assim, me libertar para tomar decisões sensatas. Eu escolho o que me preocupa. O pensamento pode ser dirigido tanto para o caos quanto para a quietude. Posso optar por não esboçar infinitamente as “causas” das minhas dificuldades e projetar, no futuro, as suas limitações e agonias. Se não posso evitar que certas pessoas me condenem, posso parar de analisar seus motivos e deixar de defender meus atos. Não importa de quais aspectos eu não goste ou tenha medo, posso interromper minhas desgastantes tentativas de torná-los perfeitos." Hugh Prather - A Arte da Serenidade

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)