PROJEÇÃO DA CONSCIÊNCIA – O CAMINHO DO MEIO

PROJEÇÃO DA CONSCIÊNCIA – O CAMINHO DO MEIO

Uns romantizam o tema e outros o tecnificam. Os primeiros viajam nas ondas do misticismo e os últimos na frieza da técnica, às vezes até da arrogância (sempre patológica). Os primeiros geralmente são pessoas físicas seguindo seus anseios, buscadores borboletas que, sem objetivo maior, pousam de flor em flor, fazendo festa e oba-oba sem profundidade de propósitos. Muita flexibilidade e pouca racionalidade. Os últimos quase sempre são institucionalizados, seguindo a cartilha de algum guru, mesmo que teimem em utilizar outro adjetivo. Pouca flexibilidade e muita racionalidade. Ao contrário dos primeiros, seus propósitos beiram as raias do fanatismo, considerando as devidas exceções em ambos os casos.

Como sempre, é melhor trilhar o caminho do meio com equilíbrio, equanimidade e ponderação. O discernimento reside aqui. Discernimento não é a mesma coisa que lucidez intra ou extrafísica. Tem muito projetor consciente sem discernimento nenhum. Tem muito parapsiquista, médium e paranormal altamente intelectual, técnico e sem o menor discernimento consciencial. Amor então, nem se fala.

Melhor a ponderação lúcida e madura do que a lucidez extrafísica egóica e fundamentalista. Não há receita, cartilha ou regra e o melhor é contextualizar com flexibilidade sem desejar ser dono da verdade, seja ela relativa, absoluta, dogmática, tenha qualquer outro nome que inventem.

Uma amiga que me disse mais ou menos isto: “Falta é bom humor nas abordagens, textos e cursos projetivos”. A projeção é um fenômeno de tão espetacular que deslumbra. Quem não teve, deseja ter, quem teve acha tão deslumbrante que pode não acreditar que terá de novo. Tem um medo de não conseguir de novo.

Por que muitos tiveram suas projeções diminuídas após estudarem o tema? Ou até mesmo fazer um curso com abordagem bem profunda e abrangente?

A expectativa (quer pré-projetiva, quer pós-projetiva) pode levar o “projetor” a um deslumbramento que bloqueia as projeções. A ansiedade segura o ser no corpo, ela é um medo sutil e gera adrenalina no organismo. Nada retém o homem mais em seu corpo que este hormônio natural do homem.

O que também pode gerar resultados antiprojetivos são, paradoxalmente, as cartilhas projetivas e os cursos de projeção. Essa é uma nova teoria minha. Não é regra geral. Tudo é uma questão de neurolinguística e hemisférios cerebrais. Sabemos que o hemisfério cerebral esquerdo é racional e mais lento e o hemisfério cerebral direito é intuitivo e muito rápido.

Cursos formatados nas franquias institucionalizadas tendem a serem quadrados, racionais demais, como se fosse uma cartilha, e acabam elaborando o conhecimento pelo hemisfério cerebral esquerdo. Cursos independentes, não formatados, mais flexíveis e menos quadrados, tendem a elaborar o conhecimento projetivo pelo hemisfério direito.

Cartilha não tem bom humor. Franquia institucional não anota bom humor no conteúdo programático do curso de projeção. Não dá espaço ao professor para bailar no conhecimento projetivo. Tem muita gente que é seguidor do projetor guru A ou B. Isso é fundamentalismo (hemisfério cerebral esquerdo) — a flexibilidade leva ao universalismo que poucos praticam (hemisfério cerebral direito).

Melhor não seguir ou ser “fiel” a grupo nenhum, melhor “seguir” a flexibilidade sobre o conhecimento das experiências fora do corpo.

Outra hipótese é de que seu amigo espiritual (amparador), devido a sua programação espiritual de vida (dharma, projeto energético, programação existencial, programa reencarnatório, etc.) deseja que você estude a projeção como um meio, para aproveitar essa poderosa ferramenta evolutiva.

Por isso, seu amparador, junto com outros amigos espirituais, pode patrocinar uma ou mais experiências projetivas a você (fantásticas ou não), chamando a atenção para sua curiosidade. Eles estão torcendo que a sua curiosidade o leve a estudar espiritualidade, projeção e universalismo, a fim de dinamizar sua evolução consciencial.

Assim que vai ler, estudar e fazer algum curso, eles retiram o patrocínio, que foi apenas o gatilho, o estímulo para seu despertar. Você teve uma projeção da consciência mediúnica, sob amparo e proteção de seus amigos espirituais, mas agora irá ter de aprender por animismo, pela vontade própria e a fazer sozinho. A reforma íntima não significa apenas diminuir os defeitos e aumentar as virtudes, mas também aumentar as habilidades conscienciais (ferramentas evolutivas).

O estudo teórico é apenas um coadjuvante, um agregado, um motivador. Mais importante é a prática que pode ser exercitada por qualquer um, seja quem for, independente da opção evolutiva, do caráter ou das características bioenergéticas pessoais. A prática é realizada com exercícios bioenergéticos que podem ser combinados com mantras e chacras.

Práticas rápidas e simples sugeridas para fazer após deitar-se:

  1. Ler algo sobre projeção;
  2. Ver imagens sobre projeção (há pessoas que colam imagens nas paredes);
  3. Exteriorizar energias no local de dormir;
  4. Praticar o MBE – mobilização básica de energias;
  5. Se imaginar flutuando no teto;
  6. Olhar um foto de si dormindo profundamente;
  7. Se imaginar fora do corpo olhando para o corpo inerte na cama;
  8. Se induzir com força de vontade mentalmente: “Eu vou sair do corpo consciente”;
  9. Usar mantras projetivos;
  10. Usar mandalas (yantras) projetivos;

Sentimentos comuns à massa de manobra e antiprojetivos:

  1. Egoísmo;
  2. Materialismo;
  3. Futilidade;
  4. Preguiça mental;
  5. Preguiça física e bioenergética;
  6. Egocentrismo;
  7. Fundamentalismo e facciosismo (anti-universalismo);
  8. Ceticismo;
  9. Racionalismo e/ou intelectualidade em excesso (embotamento da intuição);
  10. Falta de flexibilidade psicológica e emocional;
  11. Dificuldade de relacionamentos;
  12. Falta de bom humor;
  13. Excesso de heterocrítica e falta de autocrítica (falta de cultura e de autoconhecimento);
  14. Perfeccionismo, necessidade de cartilha e de formatação, falta de capacidade de improvisação;
  15. Sentimento grupuscular (grupokarma – “meu grupo é melhor”; “meu grupo é mais evoluído”).
  16. Agressividade;
  17. Tristeza, depressão, melancolia;
  18. Medo, ansiedade, expectativa.

Se toda regra tem exceção, muito mais toda sugestão ou idéia. Isso não é formatação, nem regra, nem cartilha. Muito menos verdade relativa (que não passa de verdade absoluta dissimulada), apenas meu ponto de vista, neste momento evolutivo.

Paz e Luz,

Desenho www.akisecria.com.br – https://www.facebook.com/akicekria.akicekria

viagem astral como fazer, projeção astral, viagem astral pdf, viagem astral relatos, projeção da consciência, viagem astral livro,

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque – auto intitulado como “Tio Dalton” de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade.
—–
Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e “New Age’s”.
—–
Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática.
—–
É simples, irreverente, se denomina “caipira” e “sente muitas saudades de seu planeta”.
—–
O que mais aprecia é escrever, aprender, criar “coisas” novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. — -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)