HÁ ALGO MAIS… UM AMOR, UMA LUZ. – CXXV*

HÁ ALGO MAIS… UM AMOR, UMA LUZ. – CXXV*

Wagner Borges – www.ippb.org.br
(Para Tirar a Trava do Luto do Olhar e Escutar a Canção)

Irmão (ã), preste atenção nesses apontamentos, com todo teu coração:
Nada pode te separar do Amor Maior Que Governa a Existência!
Jamais, em tempo algum, tu estiveste fora do Coração do Eterno.
Pois o Todo está em tudo!**
Isso não pode ser mistério para ti.
Mergulha em teu coração e redescobre o grande arcano…
Tu és centelha vital do Amor mais lindo de todos.
Revela em ti mesmo a Grande Luz!
Dê asas ao teu coração, e voe além do teus sentidos…

* * *
Reflete: miríades de astros ardem na tapeçaria sideral sem sentido algum?
Tu pensas que tua existência não tem importância?
No infinito de ti mesmo ardem tuas ideias e sentimentos…
E tudo isso se reflete em teus atos e incidem sobre tuas energias.
Fita os olhos dos teus filhos e medita: que Amor é esse que tu sentes?
Aquilo que vêm do teu coração é só teu?
Tu achas que o brilho dos teus olhos é só teu?
Não! Pois é o Amor que te faz médium da Luz.
E, assim, tu te comunicas com os demais na eternidade da vida.

* * *
Sem Amor, o que seria de ti?
Tu te perderias na ignomínia e na estultice de tuas emoções.
Sem a Luz, como seria o teu viver?
Tu vagarias sem sentido, perdido na noite de tua ignorância.
Medita: não se encontra o brilho do Amor nos olhos de um cadáver.
Pois, quando o espírito sai da matéria, o Amor voa para o Céu.
E que poesia os restos mortais poderão declamar?
Que canção nasce da frieza de um túmulo?
Como isso pode ser mistério para ti?

* * *
Ergue os teus olhos para o zimbório celeste e reflete:
Se não há efeito sem causa, quem criou todas essas estrelas?
A mão de qual homem esculpiu às miríades de sóis?
Olha lá, e reconheças, com todo teu Ser, a Mão do Ancião dos Dias.
O Poder incomensurável que criou tudo, é o mesmo que te criou.
O Amor que dá vida a tudo, é o mesmo Amor que te anima o viver.
Jamais renegues isso, pois o teu coração sabe!
E o choro que tu engoles em seco é conhecido pelo Alto.
É hora de tirar o luto dos teus olhos e saber sobre algo mais…
Há um Amor e uma Luz.
Então, tire a trava do teu olhar e veja além…

* * *
Não permitas que ninguém roube o brilho do teu olhar.
Nem homens, nem espíritos, ninguém pode roubar o que vêm do teu coração.
Só o Todo te conhece completamente!
E o que as estrelas te sussurram intuitivamente é de foro da tua consciência.
Assim como tudo o que tu fazes é de tua responsabilidade.
Tuas causas, teus efeitos…

* * *
Olha lá, além do cinturão de Órion, os espíritos vivendo além…
Levanta tua cabeça e vejas: além das Plêiades, à Casa das Estrelas…
Escuta a canção das esferas e abre tua mente…
Pois os passos do Todo estão ecoando em cada estrela…
Assim como ecoam em teu coração.

– Os Iniciados*** –
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – Palhoça, Santa Catarina, 12 de abril de 2017.)

– Nota de Wagner Borges:
Há algo mais… Um Amor e uma Luz.
Nenhum cadáver é capaz de fazer a canção…
Que só pode ser ouvida nas estrelas.
Nenhum luto dissolve a dor da perda.
Mas os espíritos podem!
Pois eles vivem.
E sempre dizem que há algo mais…
Um Amor e uma Luz.
E isso o coração sempre sabe.
Não é crença cega nem doutrinação.
É algo mais… bem mais do que imaginamos.
Logo, quem quiser ouvir a canção, que tire a cera do ego dos seus sentidos…
Pois, além do próprio umbigo, a vida continua, sempre.
(Ah, eles vivem, como eles vivem, ainda bem!)

– Notas do Texto:
* Esse texto fará parte do segundo volume do livro “Há Algo Mais… Um Amor, Uma Luz”.
Obs.: o primeiro volume do livro está disponibilizado para download gratuito no site do IPPB – www.ippb.org.br
** O Todo – expressão hermética para designar o Poder Absoluto que está em tudo. O Supremo, O Grande Arquiteto Do Universo, Deus, O Amor Maior Que Gera a Vida. Na verdade, O Supremo não é homem ou mulher, mas pura consciência além de toda forma. Por isso, tanto faz chamá-lo de Pai Celestial ou de Mãe Divina. Ele é Pai-Mãe de todos.
* Os Iniciados – grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente, passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga, adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente.
Composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos, eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são “iniciados” em fazer o bem, sem olhar a quem.
** Enquanto eu passava essas linhas a limpo, rolava aqui no meu som o lindo CD “It’s Entertainment!”, do grupo irlandês Celtic Thunder. Então, deixo, na sequência, os links do Youtube para as duas canções que mais aprecio nesse disco.
Celtic Thunder:
– “Home!” –

– “Amazing Grace” –

Obs.: Finalizando esses escritos, lembrei-me de um texto antigo, em que falo de uma canção espiritual com Krishna. Então, reproduzo o mesmo, na sequência, para enriquecimento desses escritos de hoje.

KRISHNA – UMA PONTE PARA O INFINITO. – II
(Quando a Taça do Amor Transborda no Coração)

Lá vai a flor de lótus…
Desabrochando nas águas do espírito.
E dentro dela, o menino azulado.
Sim, ele mesmo, Krishna.
Eu o vejo com o olho espiritual…
E ele me acena e diz:
“Venha comigo nessa viagem.
É só seguir o som de minha música…”
Então, Ele ri e toca sua flauta.
E eu escuto um som doce e profundo.
E uma alegria serena desce aqui…
E, enquanto Ele toca, algo acontece em meu coração.
E eu sinto o coração de miríades de seres pulsando em mim.
E ele novamente ri, e me diz:
“O fio da vida é contínuo… dentro do Coração do Eterno.
Todas as vidas estão interligadas na vida universal.
A mesma música toca em todos os corações.
Escute-a… Escute-a… Escute-a… Em seu coração.”
E aí, a sua doce melodia me possui e me enleva.
E eu escuto uma saudação e Ele falando dentro de mim:
“O Divino que está em meu coração, saúda o Divino em seu coração…
Porque sua música faz a vida acontecer.”
Ah, eu olho para Ele rindo e tocando, e me toco e também dou risadas.
E, igual criança arteira, Ele pisca um olho, matreiramente, e me diz:
“Tudo é muito simples. É só abrir o lótus do coração e deslizar…
Pelas águas do espírito, e fazer sua canção ser doce e consciente.
E rir muito, principalmente de si mesmo.”
Então, Ele gira sobre si mesmo e dança, e as estrelas aparecem.
E, surpreso, eu vejo que elas estão dentro do meu próprio coração.
E Ele também. Porque ali é o meu céu verdadeiro.
E, às vezes, Krishna desliza por ali, em espírito…
E Ele ri e toca, e me diz: “Venha! Deslize… docemente.”
E eu vou com Ele, ao som de sua flauta, e rindo junto.
Porque, quando o Senhor de olhos de lótus chama, o Amor floresce.
E eu vou nessa…

P.S.:
Como explicar os sentimentos da gente?
E essa doçura sem igual, que derrete o coração?
Ou o olhar d’Ele, que reflete a consciência cósmica?
Ah, como eu posso descrever essa música que tanto me alegra?
E essa vontade de viajar por aí, em espírito, no sorriso d’Ele?
Como falar do quanto eu devo a Ele, por tantas vidas?
E como é que Ele está lá no infinito e, ao mesmo tempo, em meu coração?
E esse Grande Amor, que não cabe no meu peito, e me diz tanta coisa?
E será que eu aguento essa Luz toda descendo aqui?
E quem mais viajará no som da flauta d’Ele, o Senhor dos Olhos de Lótus?
Ah, quem compreende os sentimentos da gente?
E essa alegria serena, que me arrebata, em espírito, e me leva, por aí?…

(Dedicado a todos aqueles que, mesmo sob a pressão das provas do caminho, ainda são apaixonados pela Luz e se esforçam por climas melhores na existência, sem jamais renegar a Força do Espírito em seus corações*.)

– Wagner Borges – viajando espiritualmente por aí… aprendendo e rindo um monte, principalmente de si mesmo.
São Paulo, 17 de março de 2010.

– Nota:
* Enquanto eu passava esses escritos a limpo, rolava aqui no som o CD “Toninho Horta”, do inspirado Toninho Horta, um dos grandes talentos da música brasileira. Lançamento nacional – 1980. A música “Manuel, o Audaz”, décima faixa do disco, é linda demais (e com um magistral solo de guitarra de Pat Metheny, grande guitarrista americano, que deu um colorido especial ao disco).
Segue-se abaixo a letra dessa linda canção.

MANUEL, O AUDAZ

– Toninho Horta e Lô Borges –

Se já nem sei o meu nome
Se eu já não sei parar
Viajar é mais, eu vejo mais
A rua, luz, estrada, pó
O jipe amarelou

Manuel, o audaz
Manuel, o audaz
Manuel, o audaz
Vamos lá viajar

E no ar livre, corpo livre
Aprender ou mais tentar

Manuel, o audaz
Manuel, o audaz
Iremos tentar
Vamos aprender, vamos lá

Manuel, o audaz
Vamos lá viajar

E no ar livre, corpo livre
Aprender ou mais tentar

Manuel, o audaz
Manuel, o audaz
Iremos tentar
Vamos aprender, vamos lá

Obs.: Para quem quiser conhecer e ouvir essa pérola da MPB, basta acessar o link na sequência: http://www.youtube.com/watch?v=0hIkFkr2Kqw&feature=related

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Este é um texto de um autor, blog, site captado fora do Consciencial.Org e postado numa categoria específica chamada TERCEIROS, com as devidas referências, com endereço do autor e do URL da internet onde foi encontrado. Postamos textos que nos afinizamos que cremos agregar valor de conteúdo aos leitores. Somos um site EDUCATIVO para CONSCIÊNCIA de uma nova era planetária e evitamos as tão em moda mistificações e mitificações da nova era ou new age. Abraços dos autores do Consciencial.Org – agradecemos sua visita e seus comentários.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)