OS MESTRES DA FRATERNIDADE BRANCA

OS MESTRES DA FRATERNIDADE BRANCA

Os grandes Mestres estão presentes por sintonia, os mentores espirituais, os amparadores e os aprendizes extrafísicos também. Não há competições, comparações e diferenças entres eles, entre as Fraternidades do astral e entre os seres cuja prioridade evolutiva seja o amor.

O que manda não é o intelecto, não é a prática bioenergética, o parapsiquismo, a mediunidade, a projetabilidade, o cargo, a função, o status, os títulos, a fé, a crença, a religião, o grupo, nem mesmo as orações – que normalmente são mais para pedir do que para amar e às vezes até evocações negativas de desejo para destruir o próximo.

O que manda é a sintonia mais íntima do coração, da secreta e inviolável vontade interna (de se reciclar, melhorar e servir), as vibrações íntimas de ética, cosmoética e de fraternidade prática e real.

A sofisticação do intelecto leva a retórica do contexto, da contradição e do paradoxo, que justifica e tenta explica tudo (até o sentimento que não se sentiu, inclusive o sentimento de outrem), mas não consegue enganar o íntimo do coração e nem aos Mestres que todos tanto louvam e admiram, escrevem, desenham, mas na maioria, não ouvem, não sentem.

A mensagem é assertiva, mas é carinhosa e não perde o foco da evolução consciencial. É hora de largar o verniz e a flanela que pule o ego e trocar pelo duro esmeril que recicla a consciência. Só consolação não basta, esta foi prioritariamente aplicada na fase anterior do planeta que se regenerará pelo esclarecimento também, agora mais prioritariamente.

Esclarecimento não é grosseria, arrogância ou teoria sofisticada, é ação, mudança clara, nítida, porém sutil que envolve e renova. Deem-se as mãos, perdoem, esqueçam seus dramas egoístas e sorriam.

Se há ou não rituais, não importa. Se há ou não doutrina, não importa. Se há ou não técnica sofisticada, não importa. Se há ou não emoção, não importa. Se há ou não intelecto, parapsiquismo, “lucidez relativa”, não importa, mas a reciclagem psíquica e intraconsciencial individual e íntima, no grupo ou fora dele, na solidão ou na multidão, na família ou no isolamento e não depende de sistema, religião, grupo ou opção evolutiva rotulada ou não.

Nenhum caminho é reto, perfeito e absoluto. Você não vai conseguir mudanças milagrosas e imediatas. Talvez nem mesmo até o fim desta oportunidade reencarnatória. Mas tem que ter persistência obstinada e paciência eterna.

Seus tombos não podem lhe dominar. É assim que a “criança evolutiva” aprende a andar, até um dia poder alçar o voo cósmico da consciência livre.

Desejamos a vocês:

Muita vontade sem necessitar da raiva;

Muita paciência sem indolência;

Muita serenidade sem inércia;

Muito foco com equilíbrio;

Muita autocrítica sem autodestruição;

Muita autoestima sem vaidade.

 

Lembrem-se sempre do olhar da criança, do por do sol tropical em janeiro, da poesia da alma, do intelecto equânime que explica, da ação que acolhe, de um olhar querido de mãe, do beijo de um amor romântico, do cumprimento afetuoso do professor carinhoso e da mão fraterna dos amigos espirituais mais próximos, das orações sutis que elevam a sintonia e seus sentimentos mais puros a Deus.

Os Mestres da Fraternidade Branca – outubro/2012, por Dalton C Roque

 

 

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque – auto intitulado como “Tio Dalton” de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade.
—–
Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e “New Age’s”.
—–
Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática.
—–
É simples, irreverente, se denomina “caipira” e “sente muitas saudades de seu planeta”.
—–
O que mais aprecia é escrever, aprender, criar “coisas” novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. — -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)