O RETORNO AO CAMINHO DO BEM

O RETORNO AO CAMINHO DO BEM

Os caminhos estavam abertos, ele possuía todos os meios. Possuía talento, amigos e riqueza, mas as facilidades o corrromperam. O ego predominou e ele escolheu o seu rumo. Não acreditava no futuro e plantava sementes “escuras”.

Acreditava em aproveitar a vida e no fútil se fartava, mas acontece um dia atrás do outro e serra atrás de serra. Quando seu corpo tombou em seu último dia, a terra tomou de volta o que lhe emprestara.

Acreditava que o definhar da carne era o fim da linha, não sabia da eternidade da alma.

Em profundo estado sonambúlico, vagou cego sob as trevas. Dezenas de anos se passaram. Um dia, acordando devagar, as dores aumentavam em lamentos profundos. Gemidos cortantes açoitavam as poças de barro e lodo, enquanto hordas errantes o debochavam em cinismo horripilante.

A ilusão da morte se transformara em vida de sofrimento e dor. Despertando aos poucos na densidade dos umbrais se questionava: Por quê? Onde estou? O que fiz?

Gradualmente a lucidez espiritual se ampliava sob a forma de questionamentos, motivada por pesadas dores que queimavam até a alma.

Uma bolha de luz antes longínqua, naquele horizonte negro, se aproximava lentamente, emanando uma paz, conforto serenos e profundos. Aquela aura emotivava as consciências errantes verdadeiramente arrependidas. Elas se prostravam em rompantes de lágrimas sinceras.

Assim se deu o resgate, e os sofredores daquele momento e de vidas malditas de outrora, suspiraram aliviados o socorro dos espíritos benfeitores.

Refeito no amor divino, que sustenta as sadias Colônias Espirituais, aos poucos foi se recuperando e aprendendo sobre a eternidade da vida e os desígnios das leis evolutivas.

Descobriu que Deus não pune ninguém e que somos desgraçados por nossa própria ignorância. A pior humilhação de todas é a que impomos a nós mesmos, não temos desculpas ou o subterfúgio de culpar ninguém.

Agora compreendia porque existem as colônias e os umbrais. Neste instante despertava para as diferenças entre as consciências luminosas e as escuras. Não é preciso nem dizer, um despertar severamente cortante impunha sua consciência a ficar de frente a seu ego. As pernas trêmulas, fizeram seus joelhos dobrarem-se ao chão e a molhá-lo em choro, descobrindo a comprovação prática de Deus e Seu infinito amor.

Após um novo e necessário refazimento emocional relativamente longo, ele estava de volta ao equilíbrio, no meio dos amigos que o acolheram e que o instruíam.

Hoje ele está no meio de nós. É um sujeito simples, um homem comum. Sustenta firme seus princípios e objetivos nobres de vida. Passa apertos e às vezes atrasa seu aluguel. Já não é seduzido pelo rolo compressor das futilidades sociais. Já não gasta mais seu prazo em passatempos patológicos e se arrisca a ser tachado de diferente e esquisito.

Preocupa-se com a honestidade, com a qualidade humana, a moral e o bem social. Investe em sua espiritualidade discreta e humilde, e faz a sua parte. Hoje, ele dorme sorrindo, pensando em Deus e na obrigação das boas obras silenciosas. Não cultiva rótulos, dogmas ou doutrinas, pois sabe que é responsável por si e que seus próprios bons serviços é que o “salvarão”.

Assim tantos se misturam no meio de nós. Muitos moram em casas simples, pois já experimentaram as mansões de alhures em antigas vidas amaldiçoadas. Tantos andam nos ônibus lotados nas madrugadas perigosas das grandes cidades.

Ele pode estar empurrando uma vassoura agora a seu lado. Num novo corpo, as voláteis percepções da memória se esvaem. É mais uma vida, é mais um recomeço, é mais uma oportunidade. Assim vamos convivendo com nossos problemas, dores e dignidade.

Desejamos que as ALMAS BRILHEM por dentro, independente das condições materiais que cerceam os corpos. Mantenham os princípios elevados sob quaisquer pretextos. Numa época onde a cultura prega o imoral, o consumismo e o fútil, o mais difícil é pairar acima dessa superfície densa e negativa.

Nunca tenham a vergonha de manter a dignidade espiritual positiva e sadia. Os corpos perecem, as dificuldades passam, mas a vida não. São breves momentos de retificação cármica no oceano da eternidade. Vale a pena investir, o retorno é sempre maior.

Tomemos as rédeas da vida agora para evitar dores desnecessárias no futuro.

Ramatís espírito e Dalton Campos Roque – Curitiba.

Gostou desse artigo?  Então compartilhe, alguém pode estar precisando desse esclarecimento.

Ah, deixe seu comentário, isso pode me ajudar a criar outros conteúdos.

Se você acha que este texto pode auxiliar alguém espiritualmente compartilhe e divulgue, obrigado!

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.---- "Desvio-me daquilo que não posso aperfeiçoar e me aproximo daquilo que posso. Se não tenho condições de curar meu corpo, tenho condições de curar minha mente e, assim, me libertar para tomar decisões sensatas. Eu escolho o que me preocupa. O pensamento pode ser dirigido tanto para o caos quanto para a quietude. Posso optar por não esboçar infinitamente as “causas” das minhas dificuldades e projetar, no futuro, as suas limitações e agonias. Se não posso evitar que certas pessoas me condenem, posso parar de analisar seus motivos e deixar de defender meus atos. Não importa de quais aspectos eu não goste ou tenha medo, posso interromper minhas desgastantes tentativas de torná-los perfeitos." Hugh Prather - A Arte da Serenidade

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)