A MEU MESTRE ESPIRITUAL

A MEU MESTRE ESPIRITUAL

Sou um médium falível cheio de conflitos no coração.

Não me iludo na dura viagem do autoconhecimento.

Meus instintos soberanos brigam com os brotos tímidos da virtude incipiente.

 

Meu amparo vai e volta, me observando.

Os amigos espirituais torcem por mim.

Às vezes, limpam minha aura cheia de maus pensamentos.

Às vezes me deixam à minha própria sorte para eu aprender a me virar sozinho.

Chega perto uma amparadora piedosa da egrégora da Mãe Divina, me abraça, me beija, me consola e me dá forças.

Outro dia, chega o mentor monge chinês severo, exigindo disciplina.

 

Às vezes me sinto bem e sereno, estou em acoplamento áurico com amparador em bom nível evolutivo, que por vontade própria expande a consciência de seu médium.

 

Sinto tudo, vejo tudo, entendo tudo e por fim escrevo tudo.
Eles segue o trabalho dele nos planos extrafísicos.
Minha consciência regride a seu estado original em meu natural nível de consciência baixo.
Estou eu de volta defronte aos meus instintos primitivos.

Sou mais um no meio da multidão e no trânsito caótico.
A diferença é que sei disso e percebo tudo.
Num momento me sinto no céu, dentro do coração de elevado mentor espiritual anônimo;
Noutro momento estou de volta ao conflito de mim mesmo.
Isto funciona como uma facada no peito para quem tem coragem de enfrentar a si mesmo.

Às vezes me pergunto: “Como estes amparadores bacanas visitam e aceitam um cara como eu?”.
Os que são e os que se acham virtuosos não precisam ou não aceitam ajuda.

Ambientes elevados e consciências evoluídas não precisam de amparo.

O amparo espiritual ostensivo se faz presente nos umbrais da vida e nos corações simples e predispostos a melhorar, a ajudar e a servir.

Todos temos chagas na alma.
Todos temos algo a aprender, a receber e a doar.

É o eterno “meio”, distante do “início” e do “fim” que não existem.

É o infinito “sempre” que jamais termina e é sempre assim.
É o caminhar eterno do tarefeiro existencial que teima em evoluir e não se entrega nunca.

É a coragem de recomeçar todos os dias diante da própria vergonha de seus tropeços.
É o escalar as rochas da evolução rumo ao infinito da consciência cósmica.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)