SER ESPÍRITA

Há uma ingerência espiritual e administrativa de ideias preconceituosas. O que era para ser a religião Espírita está se transformando em Kardecismo e Evangelismo. Quem se limita a Kardec ou ao Evangelho (seja ele qual for) não é espírita: é Kardecista ou Evangelista.

O Espiritismo, como propôs o próprio Kardec originalmente, deveria ser um estudo sistemático e isento EM CONTÍNUA EXPANSÃO E MODIFICAÇÃO. O Espiritismo, originalmente é a ciência que estuda a espiritualidade, portanto estuda o astral, a multidensidade, a reencarnação, o karma, as bioenergias e os espíritos. Quem se limita a um autor exclusivo, não evolui e se extratifica nele. Exemplo: Se apenas admito o José como autor, eu sou um gurulátrico Joselitista.

Já há estudos sérios e isentos de Espíritas de mente aberta avaliando melhor e sem paixão Allan Kardec e sua obra. Citarei um breve trecho:

(…) “Kardec externava também ideias que hoje em dia seriam consideradas “racistas” com relação a povos indígenas e a povos negros em geral, apesar dessas ideias serem em sua época bastante comuns, sendo importante assinalar que seus sentimentos e ideias a esse respeito se situavam claramente em um bom nível de humanidade e coerência com sua visão metafísica-reencarnacionista. Mas ele, contudo, não estava isento de graves contradições mesmo com relação a isso… Um exemplo interessante é seu texto sobre a Perfectibilidade da Raça Negra em termos físicos, publicado na Revista Espírita de abril de 1862. Kardec defendia (ou concordava com) a ideia de que a “raça negra” era fisicamente inferior às “raças brancas”, e que consequentemente recebia a encarnação de espíritos inferiores. A “raça negra” só era, segundo ele afirma nesse texto, “perfectível” (ou seja, passível de aperfeiçoamento) através de cruzamentos com as “raças brancas” (superiores).”Retirado de: <http://pt.scribd.com/doc/56222360/Erros-em-Kardec-Os-Momentos-Iniciais-da-Codificacao-da-Doutrina-Espirita> – 23/05/2012 – Copyright © Júlio Cesar de Siqueira Barros. Quarta revisão em 15 de novembro de 2007.

Cabe manter sempre presente a assertiva de Kardec: “O homem que julga infalível a sua razão está bem perto do erro.” – KARDEC, A. “Introdução ao estudo da doutrina espírita”. In: O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 58a edição. Rio de Janeiro: FEB, 1983, p.30.

Temos que retificar Kardec e ir além dele. Não há jeito, seja cientista, cético ou crente, toda paixão cega e torna o ser humano irracional.

Para efeito de curiosidade e complementação, acrescento o excelente debate:

SER ESPÍRITA, espírita, espiritismo, espiritual, ci~encia, ci~encia espírita, ciência espiritualista,

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque – auto intitulado como “Tio Dalton” de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade.
—–
Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e “New Age’s”.
—–
Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática.
—–
É simples, irreverente, se denomina “caipira” e “sente muitas saudades de seu planeta”.
—–
O que mais aprecia é escrever, aprender, criar “coisas” novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. — -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)