Política Espiritual Correta x Facciosa

Como é uma política de manutenção institucional facciosa dentro do Paradigma Consciencial ou semelhante. Esta hipótese vale para qualquer grupo ou instituição. Não é exata nem perfeita e baseia em generalismos muito abertos e relativos. Desejamos dizer, relatar, levantar a hipótese de que possa haver um perfil de manipulação num grupo / religião / instituição espiritual / religioso / metafísico de alguma forma ou tipo.

Alerta de possibilidade: Política de manutenção máxima (autoprotecionista), conhecimento teórico bom, vivência pessoal mínima (prática dos alunos, participantes)

Quanto a descrição da política institucional genérica:

* Manipulação intelectual – Exemplos: esses livros podem, esses não. Esses autores podem, esses não. Esses sites podem e esses não. Esses médiuns podem, esses não. Esses projetores conscientes podem, esses não. Etc.
* Pressão bioenergética impositiva – Patrulhamento ideológico: vigiando crenças, monitorando paradigmas pessoais e de pequenos grupos amigos, etc.
* Jogo de sedução semântico – Cerceamento conceitual: só pode usar nossos estilos e tipos de linguagem interna, as de fora não.
* Slogan de perfeição e infalibilidade – somos os melhores, os mais modernos, avançados, de ponta, somos perfeitos, quase perfeitos, quase infalíveis.
* Dogmas técnicos dissimulados – se você sair nunca vai encontrar um grupo / instituição / religião tão avançado, perde a “salvação”.
* Necessidade financeira energívora – colabore com dízimo exagerado, você deve priorizar sua espiritualidade e evolução pessoal antes de tudo.
* Máquina de propaganda institucional eficaz – proselitismo em forma de marketing e web marketing bem organizado.
* Máquina de propaganda voluntária fanática – voluntários desejam se sentir importantes e participativos, mais valorizados do que outros.
* Sistemas de comparações subéticos para alimentar pseudo superioridade – compara-se seu grupo, ponto a ponto, com outros, realçando sua “superioridade” ou maior “importância”.
* Paradigma consciencial tosco e anticosmoético – a máquina institucional ganha tanta força que esmaga o próprio indivíduo que colabora e voluntaria nela com várias desculpas e justificativas falaciosas.

Nosso objetivo não é criticar ou apontar dedos, mas nosso site e trabalho é orientado ao discernimento consciencial elevado e avançado, e devemos nos aplicar nos questionamentos éticos e cosmoéticos, e nas ideias conscienciais magnas e libertárias, a fim de ajudar as pessoas a pensarem grande e NÃO se deixarem ser manipuladas.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)