A CIÊNCIA NÃO LIDA COM A VERDADE, LIDA COM MODELOS QUE A REPRESENTAM

A CIÊNCIA NÃO LIDA COM A VERDADE, LIDA COM MODELOS QUE A REPRESENTAM

A ciência e o cientista não lidam com a verdade, lidam com modelos imperfeitos e falíveis que representam provisoriamente a verdade, portanto são muito limitados, daí não podem ser absolutistas e imutáveis como desejam os céticos-materialistas. Quanto a ciência ter um ponto de partida cética é muito justo e racional, mas negar possibilidades é atitude dogmática de negação.

O conhecimento científico depende muito da lógica. As áreas da ciência podem ser classificadas em duas grandes dimensões:

 

  • Pura: o desenvolvimento de teorias – versus;
  • Aplicada: a aplicação de teorias às necessidades humanas -; ou;
  • Natural: o estudo do mundo natural – versus; a;
  • Social: o estudo do comportamento humano e da sociedade.

 

Porém, a ciência não é o fim, é o meio. O meio é uma ferramenta, aliás, uma das muitas ferramentas para se viver a vida buscando não apenas o ter, mas o SER, ou seja, a tão relativa e polêmica qualidade de vida. Pois na verdade se a educação ou a ciência não servem para nos tornar mais felizes, então devemos buscar outras ferramentas ou readequá-las a uma nova possibilidade paradigmática.

 

Não me importo se Deus existe ou não, se os céticos ou os espiritualistas estão com a razão, justificando suas crenças, se eles mesmos não contribuem para um mundo menos hostil, mais tolerante e humano. O pesquisador, ou melhor, a ciência, deve no mínimo tentar superar a si mesma testando outros paradigmas e procurando respostas (talvez outras perguntas) mais satisfatórias. O caminho não é teórico, é prático e a retórica e as justificativas e argumentos pouco ou nada adiantam. É preciso fazer.

 

A crença cartesiana na verdade científica é, ainda hoje, muito difundida e reflete-se no cientificismo que se tornou típico de nossa cultura ocidental. Muitas pessoas em nossa sociedade, tanto cientistas como não cientistas, estão convencidas de que o método científico é o único meio válido de compreensão do universo. O método de pensamento de Descartes e sua concepção da natureza influenciaram todos os ramos da ciência moderna e podem ser ainda hoje muito úteis. Mas só o serão se suas limitações forem reconhecidas. (CAPRA, 1997, p. 53)

 

Com advento da ciência após o Iluminismo o “diabo” tinha seus dias contados. A era do misticismo, do medo e da ignorância prometiam falência com data marcada. Este movimento surgiu na França do século XVII e defendia o domínio da razão sobre a visão teocêntrica que dominava a Europa desde a Idade Média. Segundo os filósofos iluministas, esta forma de pensamento tinha o propósito de iluminar as trevas em que se encontrava a sociedade.

 

[…] a Igreja foi o maior obstáculo para o progresso do conhecimento científico. O obscurantismo do clero combateu longa e encarniçadamente a nova ciência, que lentamente se manifestava, baseada na experiência e na razão. Contudo, tais empecilhos não podiam deter seu desenvolvimento. (PRIMON, 2000)

 

Os ideais iluministas e seus pensadores defendiam e acreditavam que o pensamento racional deveria ser levado adiante substituindo as crenças religiosas e o misticismo, que, segundo eles, bloqueavam a evolução do homem. O homem deveria ser o centro e passar a buscar respostas para as questões que, até então, eram justificadas somente pela fé. A ciência já rebelde desde o berço pedia divórcio da religião.

 

O termo razão deriva da palavra latina ratione e denota as coisas do raciocínio utilizado para ponderar, julgar, estabelecer relações lógicas e praticar o bom senso (PENNA, 1987; BURREL e MORGAN, 1982).

Sob essa ótica, o bom senso é apontado como sendo exclusivo dos humanos, mas ele endereça as decisões, ações e argumentos adotados seguidos pelos indivíduos inseridos em uma determinada cultura. Do ponto de vista histórico, credita-se aos filósofos místicos da Grécia a preocupação pioneira de elucidar o diferencial de ação do homo sapiens, isto é, o uso da razão (CAPRA, 1982).

A divisão cartesiana separou a ciência da religião; possibilitou aos cientistas tratar a matéria como algo distinto de si, como algo morto.

Thomas Kuhn percebeu que os paradigmas são elementos essenciais do método científico, sendo os momentos de mudança de paradigmas chamados de revoluções científicas. Mais recentemente a metodologia científica tem sido abalada pela crítica ao pensamento cartesiano elaborada pelo filósofo francês Edgar Morin. Com as minhas palavras, este propõe, no lugar da divisão do objeto de pesquisa em partes, uma visão sistêmica, do todo. Esse novo paradigma é chamado de Teoria da Complexidade (complexidade entendida como abraçar o todo).

Fritjop Capra, autor do livro O Tao da Física e do livro O Ponto de Mutação, de modo particular, também faz uma proposta de novo Paradigma.

A ideia central era dividir e dominar, entender as partes para entender o todo. Para Immanuel Kant a percepção não era um espelho mental do mundo, como queriam os empiristas, mas sim um processo ativo através do qual impomos à realidade o nosso modo de ser.

Recentes estudos sobre a sociologia e história da ciência nos alertam sobre a importância de fatores ideológicos no desenvolvimento da ciência. Como aponta Longino (1990), a ciência é em grande parte um processo social em onde conceitos tais como valores pessoais são importantes para decidir o que se considera como conhecimento científico. (ALVARADO, 1991)

Fim – Dalton C. R.


Referências

ALMEIDA, J. O. F. de. Paradigmas e Paradigmas: reflexões para ampliar a discussão. In: Simpósio Brasil-Sul de Informação, 1996, Londrina. Anais. Londrina: UEL/Departamento de Biblioteconomia, p. 233-240.

ALVARADO, C. Aspectos Ideologicos de la Parapsicologia. In: Revista Argentina de Psicologia Paranormal, 1991. 2, No.1, p. 7-14 – Disponível em: <http://www.pesquisapsi.com/content/view/2334/86/lang,pt/> Acesso em: 13 de agosto/2010.

ARENDT, H. A Condição Humana. Ed. Forense Universitária. 10ª ed. p. 123. 2007.

BABA, S. Princípios de Vida. Ed. Nova Era. p. 134. 2005.

BAKER, M. W. Jesus: O Maior Psicólogo que já Existiu. Ed. Sextante. 7ª Ed. p. 191. 2005.

BOFF, L. Saber Cuidar. Ed. Vozes. 11ª ed. p. 199. 1999.

BURREL, Gibson & MORGAN, Garret. Sociological Paradigms and Organizational Analysis. London: Polity Press. [s. n.] 1982.

CAPRA, F. As Conexões Ocultas: Ciência Para Uma Vida Sustentável. Ed. Cultrix. p. 296. 2002.

CAPRA, F. O Ponto de Mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. Ed. Cultrix. p. 53. 1982.

CAPRA, F. O Tao da Física. Ed. Cultrix. 10ª ed. 260p. 1975.

CURY, A. 12 Semanas para Mudar Uma Vida. Ed. Academia de Inteligência. 51ª Ed. 250p. 2004.

FERGUSON, M. A Conspiração Aquariana.  Rio de Janeiro: Nova Era. 12º Ed. 411p. 2000.

FREITAS, R. S. A Saga do Ideal de Boa Ciência. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [online]. Junho, 2004. Vol. 19, nº 055, pp. 91-105. ISSN 0102-6909.  doi: 10.1590/S0102-69092004000200006, São Paulo-SP. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092004000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em: 13/11/2010.

GOSWAMI, A. Universo Autoconsciente – Como a Consciência cria o mundo material. Ed. Aleph. 2ª Ed. 368p. Ano 2008.

JÚNIOR, O. P. As Interpretações Contemporâneas da Mecânica Quântica – CBPF-CS-005/08 – Departamento de Filosofia, FFLCH – Universidade de São Paulo – Área do conhecimento: Filosofia da ciência. Disponível em: <http://cbpfindex.cbpf.br/publication_pdfs/CS00508.2008_08_21_10_39_21.pdf> Acesso em: 23/04/2008.

BLANC, C. L. KIERKEGAARD, KIERKEGAARD. Coleção Figuras do Saber. 1ª ed. 128 p. Ed. Estação Liberdade. 2003.

LAYTON, J. Como Funciona a Lavagem Cerebral. Traduzido por How Stuff Works Brasil. Disponível em: <http://pessoas.hsw.uol.com.br/lavagem-cerebral.htm> Acesso em: 26/09/2010.

LIMOEIRO, M. Produtivismo Acadêmico e Síndrome de Burnout. Revista Adusp, Universidade Federal do Rio de Janeiro, nº 22. p. 39. 2001. Disponível em: <http://www.aduneb.com.br/clipagem.php?news_not_pk=1191> Acesso em: 13/11/2010

MARCONDES, D. A crise de Paradigma e o Surgimento da Modernidade. In: BRANDÃO, Z. (Org.). A crise dos paradigmas e a educação. São Paulo: Cortez, p. 16-29. 1994.

MARINOFF, L. Mais Platão, Menos Prozac. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Record. 293p. 2001.

MARTON, F. Phenomenography – Describing conceptions of the world around us. Instructional Science, p. 177-200. 1981.

MATURANA, H., VARELA, F. J. Biologia da Cognição. Ed. Palas Athena. 8ª Ed. 283p. 2010.

MCCONNELL, R. Os Inimigos da Parapsicología. Revista Argentina de Pesquisa Paranormal, 3(1) , p. 7-19. 1992. Artigo sobre a ESP (Robert McConnell). Disponível em: <http://www.pesquisapsi.com/content/view/246/0/> Acesso em: 11/06/2009.

NASCENTES, A. Tesouro da Fraseologia Brasileira, Dicionário da Mitologia Grega e Romana. [s. n.]. p. 396.

NEWBERG. A; WALDMAN M. R. Como Deus Pode Mudar Sua Mente – Um diálogo entre fé e neurociência. p. 367. Ed. Prumo. 2009.

OUSPENSKY, P. D. Psicologia da Evolução Possível ao Homem. Editora Pensamento. p. 79. 1991.

PENNA, A. G. Razão e Intuição. Revista Arquivos Brasileiros de psicologia. Rio de Janeiro: vol. 39, n.3, p. 36-43, jul./set., 1987.

PRIMON, A. L. M.; JÚNIOR, L. G. S.; ADAM, S. M. História da Ciência: da Idade Média à Atualidade. Copyright 2000 pelo Instituto Metodista de Ensino Superior – Psicólogo informação ano 4, nº 4, jan/dez. 2000. Disponível em: <http://editora.metodista.br/Psicologo1/psi03.pdf> Acesso em: 23/04/2010.

ROCHA, R. A. O Pensamento Racional Lógico, a Intuição e a Criatividade no Processo de Administração Estratégica. Monografia. Rudimar Antunes da Rocha Prof. Dr. DCA/PPGEP – UFSM (RS) Rua Tuiuti, 1068 – sala 501 – Santa Maria (RS).

ROQUE, D. C. Estudos Espiritualistas – Desvendando os Caminhos. p. 348. 2008.

SILVA, L. R. M. A Criminologia e a Criminalidade – Elaborado em 08/1997. Texto inserido no Jus Navigandi nº 66 (06.2003). Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=4137> Acesso em: 26/09/2010.

SZEZERBICKI, A. S.; PILATTI, L. A.; KOVALESKI, J. L. Henry Ford: A Visão Inovadora de Um Homem do Início do Século XX – 2004.

WALLACE, A. B. Ciência Contemplativa – Onde o Budismo e a Neurociência se encontram. Ed. Cultrix, p. 240.

WEIL, P. A. Consciência CósmicaIntrodução a Psicologia Transpessoal, p. 88. 1991.

WINKELMANN, J. A. B. Prazer – O Sentido Humano do Existir. p. 148.

ZOHAR, D. & MARSHALL, I. Inteligência Espiritual.  O “Q” que Faz a Diferença. p. 349. Ed. Afiliada. 2000.

 

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.---- "Desvio-me daquilo que não posso aperfeiçoar e me aproximo daquilo que posso. Se não tenho condições de curar meu corpo, tenho condições de curar minha mente e, assim, me libertar para tomar decisões sensatas. Eu escolho o que me preocupa. O pensamento pode ser dirigido tanto para o caos quanto para a quietude. Posso optar por não esboçar infinitamente as “causas” das minhas dificuldades e projetar, no futuro, as suas limitações e agonias. Se não posso evitar que certas pessoas me condenem, posso parar de analisar seus motivos e deixar de defender meus atos. Não importa de quais aspectos eu não goste ou tenha medo, posso interromper minhas desgastantes tentativas de torná-los perfeitos." Hugh Prather - A Arte da Serenidade

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)