A PRÁTICA CONDICIONADA DA NEGAÇÃO

A PRÁTICA CONDICIONADA DA NEGAÇÃO

Desconheço, logo nego, é a prática marcante e o mantra humano da atualidade. As correntes de pensamento humanas (moldadas pelas matrizes da ciência, da religião e da arte, bem como pela conjuntura político-socio-econômica) competem entre si para quem seja o paradigma ideológico dominante da sociedade, muitas vezes por meio da negação ou da desconstrução de verdades e cânones alheios.

Quando nos referimos à religião, estamos incluindo os credos religiosos, as filosofias transcendentais, os sistemas esotéricos, as culturas místicas, as neociências conscienciológicas, as doutrinas espiritualistas diversas e os pacotes New Age outros, que arrogam para si várias formas de verdade, salvação, caminho e outros dogmas condicionadores e bolorentos.

Dentre tais correntes de pensamento que se pretendem antimaterialistas, poucas priorizam, de fato, o amor universal e maxifraternidade, contrariando o que mais pregam. Poucas priorizam o ser humano, seu processo de autoconhecimento e inter-relacionamento, a ecologia terrestre, o panorama extraterrestre, a convivência harmônica com a Terra, com a humanidade e com os irmãos animais não-humanos.

Você não tem de pregar ou gritar aos quatro ventos, tentando ensinar o que e como se deve fazer. O melhor educador é o silêncio prático das boas obras, que não bate no peito, nem empina o nariz. A propaganda da prática confiante e serena é muito mais poderosa que o verbo envaidecido. A exemplaridade da sua conduta é o melhor conselho prático a ser transmitido aos que privam da sua companhia.

Você é o que come. Você é o que veste. Você é o somatório das influências de quem o acompanha intra e extrafisicamente, de onde anda, do que pensa e do que faz. A autocrítica severa, mas sadia, diante do auto espelho consciencial, faz silenciar nossa voz ruidosa e orgulhosa, diante de si mesmo. Só assim deixamos o condicionamento das frases prontas, clichês e chavões em voga e nos dispomos a ponderar, nos momentos das solitudes sadias de domingo, sobre quem somos e quem queremos ser.

Fechamos portas e janelas, desligamos o televisor, o rádio e o aparelho de som, a fim de conseguirmos escutar nossos pensamentos, abafados pelo automatismo social das correntes do pensamento (não-pensamento) humano.

 

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. --- -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)