O CAMINHO DE DENTRO

O CAMINHO DE DENTRO

São muitas as opções, são muitos os caminhos, uns mais rápidos outros mais lentos, cada um adequado a um perfil evolutivo e a cada consciência.

São tantas religiões, tantos credos, filosofias, cursos, linhas diferentes, organizações e institutos.

Cada um diz que é o melhor, mas é claro, diz quem o escolheu e se assim o fez é porque tem mais empatia com ele. Quem é que pode dizer que o azul é mais bonito do que o amarelo? Que a Física é mais importante do que a Matemática ou que o coração é mais importante do que o cérebro?

Afinal, onde fica o livre arbítrio como opção gratuita dada por Deus?

Encontramos místicos, esotéricos, exotéricos, filósofos, parapsicólogos, projeciólogos, religiosos, conscienciólogos, mentalistas, metafísicos e quaisquer outras opções que se encontrem ou que queiram inventar, e afinal o ser humano não tem o livre direito de escrever o seu pensar, agir, acreditar, duvidar e questionar, ou terá sempre que ouvir a crítica áspera, arrogante e “superior” do outro de que a linha dele é a “melhor”?

As pessoas não têm a mesma cultura, entendimento, interpretação, visão, sentimento ou nível de consciência. Cada um irá se encaixar num “universo” que simpatiza e bem aceita. Não existe o melhor nem o pior, e esta é uma comparação efêmera presa à dimensão quadridimensional. Mudando a dimensão, muda-se a realidade do observador.

O caminho verdadeiro não está fora nem em lugar nenhum, mas dentro de si mesmo com as convicções íntimas de sua alma.

O verdadeiro caminho é o CAMINHO DE DENTRO.

Não adianta reclamar, esbravejar nem “espumar” condenando quem quer que seja. O ser humano tem até o direito de errar, dado por Deus.

É natural que, com o passar do tempo, vá havendo um progresso consciencial e, assim, irão surgindo encarnações de seres com conhecimentos e idéias mais arejadas e avançadas do período intermissivo * e manifestando-as aos poucos, aqui na Terra.

Irão surgindo gradualmente novos cursos, idéias, teorias, conceitos, hipóteses, práticas, ciências, livros, matérias, artigos, home pages, e não há força no universo que possa parar ou desacelerar este processo. E tem mais: os novos conhecimentos são melhores, mais aperfeiçoados e mais avançados. É a força natural da evolução e não adianta ninguém tentar ficar eternamente cristalizado num autor, médium, ou numa série de livros, ordem esotérica, filosófica ou numa ideia empacotada.

O caminho de dentro não possui receita padrão nem fórmula, é o caminho de pleno discernimento consciencial que abrange amplamente todas as inteligências e vivências humanas e espirituais. É o caminho da autoconfiança, do equilíbrio, da ponderação, do omniquestionamento, da omniexperimentação, da autoestima elevada, da fraternidade incondicional que derruba fronteiras, sectarismos, bairrismos, separativismos, bandeiras, rótulos, medidas, pacotes, dimensionamentos e conceitos pré-concebidos.

O melhor caminho é o caminho de dentro, que você se afiniza e que lhe faz feliz sem prejudicar a ninguém.

Paz e Luz

– Dalton Roque –

– Nota: * Período intermissivo: Período entre vidas, no qual o espírito fica desencarnado avaliando a experiência da vida que passou e encetando novos projetos para as vidas futuras na carne. O Espiritismo chama isso de período na Erraticidade ou Espaço entre vidas.

Se você acha que este texto pode auxiliar alguém espiritualmente compartilhe e divulgue, obrigado!

Gostou desse conteúdo? Queremos saber sua opinião, deixe seu comentário logo abaixo.

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque - auto intitulado como "Tio Dalton" de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade. ----- Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e "New Age's". ----- Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática. ----- É simples, irreverente, se denomina "caipira" e "sente muitas saudades de seu planeta". ----- O que mais aprecia é escrever, aprender, criar "coisas" novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo da New Age, o que considera uma viagem na maionese quântica e por ironia se declara ativista quântico.

COMMENTS (2)

Penso exatamente o mesmo. Iniciei com Kardec depois Waldo Vieira , Wagner Borges depois Laércio Fonseca , fora outros. Um saladão . Mas com o amigo ,estou há mais de década. Abraço.

    Oi Eduardo!
    Muito legal sua postura, estamos juntos. São grandes nomes, grandes referências de nosso tempo. Pequenos “gênios” abrindo picada na floresta densa para nos facilitar o caminho. Sou também eterno aprendiz dos mesmos nomes que citou e agradeço a Deus tal oportunidade evolutiva. Eu entendi bem o que quis dizer, mas apenas por uma questão de semântica (eu entendi sua ideia), nem costumo dizer “salada”, mas um síntese de conhecimentos que se alinham.
    Abraços e obrigado por participar!!!!!!!

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)