O MÉDIUM

O MÉDIUM

O médium é o office boy da espiritualidade. Existem muitos deles. Uns trabalham nas empresas de luz e trazem as respectivas mensagens luminosas. Outros trabalham nas empresas da escuridão e invocam os correspondentes objetivos materiais nefastos.

O médium consciente sabe que é médium. Mais lúcido, reconhece e admite a presença dos amigos espirituais e se assume médium, mesmo perante a crítica dos fundamentalistas “espumantes” e colegas egoístas, que são capazes de morder a própria língua para ofender e denegrir aqueles que não comungam das suas ideias ou que, a seu juízo, ameaçam sua popularidade e influência em determinado segmento social.

O médium é a última milha do telefone sem fio interdimensional (interdensional). O que antes fez como brincadeira de criança, hoje faz como responsabilidade espiritual.

O médium não é evoluído nem melhor. Pelo contrário, a mediunidade, na maioria das vezes, é apenas uma oportunidade kármica (dharma) de resgatar os erros do passado, que pode se manifestar como fardo, bênção ou ambos, a depender da situação e de diversas variáveis conscienciais intervenientes.

Cada médium tem um trabalho, uma tarefa ou obrigação consciencial específica e sob medida, que lhe foi gentilmente cedido pelo Alto, em face de seu arrependimento (consciência da desdita pretérita) e vontade de mudar (ânimo para efetivar a reforma moral íntima).

Muitos, entretanto, “perecem” no meio do caminho, ao se atolarem na repetição de erros (muitas vezes graves) do passado multimilenar. Outros tantos se estagnam e efetuam pequena fração de suas tarefas, que antes tanto se entusiasmaram em fazer com requintes de perfeição, acreditando que seria fácil manter o ritmo.

A mediunidade não é diletantismo de amadores: é tarefa séria e de alta responsabilidade, que independe de hora, idade, local, doutrina, religião, intelectualidade ou situação financeira.

Cada médium programou para si, adstrito à orientação de seus mentores, o que seria melhor para si, dentro de seu contexto evolutivo.

Mediunidade não é tarefa para os fracos, covardes e acomodados, mas para os abnegados, persistentes e adaptáveis. O Alto necessita de cada alma que se dispõe a retornar ao bem e a assumir sua tarefa de minipeça cósmica consciente frente ao Universo regido pelas leis de Deus – maxi mecanismo.

A mediunidade é uma associação de vontade com talento, mais a oportunidade, somada à responsabilidade, ancorada na renúncia, direcionada a ajudar muitos outros, para, ao final, ajudar mais a si próprio.

O médium vaidoso só o é porque não é lúcido nem se recorda, ou melhor, não deseja se lembrar dos erros do passado multimilenar e hoje lhe custa admitir que sua mediunidade-trabalho-tarefa-dever foi implorada por ele ao Alto no período intermissivo (período entre vidas, no plano astral).

Ser médium não é bonito nem traz vantagem – apenas ônus redobrado. Porém, consiste em dever assumido por auto opção voluntária, endossada pelo Alto, a fim de que o candidato à médium, ao volver ao invólucro carnal, auto burilasse a conduta íntima, quitasse karmas no atacado e superasse novo degrau nessa íngreme escalada evolutiva da vida terrena.

Deus não joga dados. A vida não é brincadeira, muito menos o trabalho e a mediunidade. A prática do amor é um direito inalienável e dever irrenunciável de todas as criaturas. Não temos outra opção senão ter coragem de assumir e aperfeiçoar o seu exercício diário.

Dá trabalho? Muito! Mas ser feliz (sentir-se realizado e em paz consigo próprio) é um trabalho árduo que compensa. Não existe outra alternativa evolutiva para você, seja médium ou não. O resto é fuga da realidade e mesmice existencial.

O médium pulou de paraquedas no meio da guerra, admitiu a auto luta em princípio e pôs à cara a tapa no projeto reencarnatório a que se propôs executar. Não há como desistir no meio do caminho. É como uma represa que ruiu: nada segura a força das águas e nada segura o fluxo de energias conscienciais na vida dos seres.

Aos médiuns, sugerimos: abandonem as brincadeiras irresponsáveis e assumam seus serviços. Precisamos de vocês. Percam a vergonha de assumir sua mediunidade, tanto em relação aos ignorantes tridimensionais, quanto aos invejosos espiritualistas ou aos parapsiquistas e intelectuais. Confiem em si mesmos.

Autoestima para o médium é fundamental, mas sem vaidade, sem a ilusória crença em infalibilidade mediúnica. Não respondam às críticas maldosas, às análises psicanalíticas açodadas e levianas, às tentativas de deslegitimar trabalhos idôneos, por meio da maledicência que almeja desconstruir a integridade psíquica e moral do médium, promovendo campanhas de patrulha doutrinária, estigmatização, intriga e ridicularização. Merecem ser desprezadas. A melhor resposta repousa nos frutos maduros do mediunato sadio, obtido pelo exercício do trabalho contínuo, pelo cultivo da dignidade da conduta pública e privada, pela permanente disposição de reciclar paradigmas e procedimentos, adaptar-se a contextos e desafios novos, meditar acerca das suas próprias fragilidades e otimizar suas virtudes.

Mãos à obra! A espiritualidade não dorme!

 

O que você achou?

Sobre o(a) autor(a)

Dalton Campos Roque – auto intitulado como “Tio Dalton” de forma irreverente, sempre bem humorado e brincalhão. Formado em Engenharia Civil, pós-graduado em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia e em Educação em Valores Humanos. Manifestou eventos paranormais e mediúnicos desde o berço e foi criado neste meio, pois seu pai e dois irmãos também manifestavam fenômenos parapsíquicos ostensivos. Começou a aprender com o pai (que é médico e Parapsicólogo) Parapsicologia e Hipnose a partir dos 14 anos de idade.
—–
Professor de Informática, espiritualista universalista, médium intuitivo, curioso e espontâneo em desconstruir falácias religiosas, espiritualistas e “New Age’s”.
—–
Curte Rock Progressivo, Rock pesado, música New Age e músicas mais espirituais em geral, adora filmes de ficção científica e ação. Curte eletrônica, áudio, física e matemática.
—–
É simples, irreverente, se denomina “caipira” e “sente muitas saudades de seu planeta”.
—–
O que mais aprecia é escrever, aprender, criar “coisas” novas e originais e organizar conhecimento com tendências mais científicas. Detesta o misticismo exacerbado New Age, o que considera uma desinformação. — -Me ame quando eu menos merecer, pois é quando mais preciso.

Deixe um comentário

Comentário (requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Nome (requerido)
E-mail (requerido)